Candidato do PT à prefeitura do Recife abre dez pontos

Com 30% das intenções de voto, embora em empate técnico com o ex-governador Mendonça Neto (DEM)

Carlos Marchi, de O Estado de S. Paulo,

15 de agosto de 2008 | 20h18

Com os padrinhos que tem, não foi surpresa o avanço expressivo do candidato João Costa (PT) na disputa pela Prefeitura do Recife. Segundo pesquisa Ibope contratada pelo Estado e pela TV Globo, em um mês o candidato petista deu um salto de 10 pontos porcentuais e agora lidera com 30% das intenções de voto, embora em empate técnico com o ex-governador Mendonça Neto (DEM), que oscilou 3 pontos para baixo e agora tem 27%. A seguir aparecem os candidatos Cadoca (PSC), com 20% (22% em julho), e Raul Henry (PMDB), com 6% (7% em julho). O grande responsável pela ascensão de Costa, um ex-secretário sem grande visibilidade pública da gestão João Paulo, são seus dois padrinhos. Um deles, o próprio prefeito, tem sua administração na prefeitura muito bem avaliada: ostenta 61% de bom e ótimo (58% no mês passado), com apenas 10% (11% na pesquisa anterior) de ruim e péssimo. O outro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, vai melhor ainda: tem 74% de bom e ótimo (68% em julho) e 9% de ruim e péssimo (11% há um mês). Espontânea Costa também cresceu na pesquisa espontânea, pulando de 9%, há um mês, para 21%. Mendonça foi de 8% para 13%. Os outros ficaram estáveis. Nas simulações de segundo turno, Mendonça ainda vence os embates contra os dois principais adversários, embora na disputa com Costa a diferença tenha sido substancialmente reduzida desde julho. Na simulação contra o petista, o candidato do DEM venceria por 48% a 38% (há um mês, o resultado era 58% a 28%); bateria Cadoca por 47% a 33% (era 48% a 35%). Cadoca ainda venceria Costa por 44% a 40% (54% a 31% em julho). Os dois líderes na disputa, Costa e Mendonça, têm também a menor rejeição do eleitorado, ambos com 16%, seguidos por Cadoca, com 22%, e Henry, com 23%.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições municipais 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.