Candidato do PMDB à presidência da Câmara, Alves nega ser investigado por fraudes

Deputado é acusado de direcionar emendas de sua autoria para empresa de ex-assessor

João Naves de Oliveira, O Estado de S. Paulo

16 de janeiro de 2013 | 15h50

CAMPO GRANDE - O candidato favorito na disputa pela presidência da Câmara, deputado federal Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), se negou a responder nesta quarta-feira, 16, em Campo Grande, às denúncias que envolvem a Bonacci Engenharia, que tem como sócio seu ex-assessor. A Bonacci recebeu recursos de emendas parlamentares de autoria do deputado e verbas públicas do Departamento Nacional de Obras contra as Secas (Dnocs), que é controlado politicamente pelo deputado peemedebista.

"Eu sou autor das emendas. Depois das licitações não tenho mais nada a ver com o assunto. Não tenho nenhuma acusação contra mim, tenho apenas questionamentos, em tudo que a mídia vem apontando como acusações. Isso tudo são questionamentos, questionamentos", afirmou Alves após uma audiência com o governador do Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB).

O deputado disse que não tinha conhecimento de que a sede da Bonacci funciona em uma casa simples num bairro de classe média baixa de Natal, conforme mostrou o jornal Folha de S.Paulo.

Alves disse que recebeu o apoio de Puccinelli à sua candidatura. "O governador garantiu o apoio e inclusive vai falar pessoalmente com cada um dos 7 deputados da bancada federal sul-mato-grossense, sobre a minha candidatura. Estou tranquilo. Tenho apoio de 14 partidos na Câmara Federal e de sete governadores nos Estados, até agora."

Entre os compromissos de campanha, o deputado destacou a discussão de um "pacto federativo". Segundo ele, "os entes federados não suportam mais conviver com as imensas desigualdades que os distinguem. O atual modelo está saturado.Urge corrigir o desequilíbrio entre União, Estado e municípios seja no que concerne à repartição de recursos seja no que diz respeito ao resgate da autonomia para legislar sobre matérias de interesse exclusivo das unidades estaduais e municipais."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.