Candidato do MT terá que provar que não é analfabeto

O comerciante Juarez Leandro da Silva, que pretende disputar uma vaga na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, terá que fazer "prova" com o Procurador Eleitoral, Thiago Lemos, para comprovar que não é analfabeto. Ele foi "taxado" de analfabeto no registro de sua candidatura. O candidato acredita que deve ter ocorrido um erro por parte da coligação "O Povo no Poder" formada pelo PTB,PMN,PSL,PSDC,PRTB e PT do B, na hora de digitar suas informações.

FÁTIMA LESSA, Agência Estado

23 Julho 2010 | 17h44

Quando descobriu o problema, ele fez uma declaração escrita com o ''próprio punho'' para provar que não era analfabeto, mas não convenceu a Justiça Eleitoral e agora terá que passar por um teste elaborado pelo procurador para provar a legitimidade do documento. "Na outra eleição, quando concorri a vereador, era alfabetizado e agora virei analfabeto", reclamou.

Nas eleições de 2008, o comerciante conseguiu 903 votos na disputa por uma vaga à Câmara de Vereadores de Várzea Grande (MT). O candidato pretende gastar R$ 100 mil na campanha. Segundo ele a experiência adquirida lhe ajudará. "Agora sei que mesmo com pouco dinheiro consigo fazer uma boa campanha" afirmou. A situação pela qual passa junto à Justiça Eleitoral, na opinião do candidato, pode lhe trazer prejuízos: "Posso perder alguns votos porque as pessoas com preconceito não votarão em mim", disse.

Mais conteúdo sobre:
eleiçãoanalfabetocandidatos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.