Candidato de Lula e Aécio não consegue decolar em BH

De acordo com as primeiras pesquisas feitas na capital mineira, Márcio Lacerdam do PSB, ainda patina

Raquel Massote, da Agência Estado

18 de julho de 2008 | 19h08

O ex-secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico Márcio Lacerda (PSB) contava com as credenciais mais favoráveis possíveis para entrar com o pé direito na corrida eleitoral em Belo Horizonte - tem o apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva , do governador Aécio Neves (PSDB) e do prefeito Fernando Pimentel (PT), todos com alto índice de aprovação, e reúne em sua coligação 12 partidos (além do apoio informal do PSDB), o que irá lhe proporcionar cerca de 40% do tempo no horário eleitoral gratuito. Mas, de acordo com as primeiras pesquisas feitas na capital mineira, Lacerda ainda patina. Pouco conhecido do eleitorado e enfrentando resistência de parte dos próprios aliados, sua candidatura ainda fica abaixo dos dois dígitos nas intenções de voto.   Veja Também:  Conheça os candidatos nas principais capitais  Calendário eleitoral das eleições deste ano  Veja as regras para as eleições municipais Especial tira dúvidas do eleitor sobre as eleições      Estrategistas responsáveis pela campanha de Lacerda apostam que o eixo deverá ser a parceria entre a prefeitura e o governo estadual, aliança que recebeu apoio público do presidente Lula , apesar do veto imposto pela Executiva Nacional do PT quanto a coligar-se com o PSDB. Na semana passada, o evento oficial da candidatura de Lacerda contou com a presença de Aécio e Pimentel. Mas o que era para ser uma demonstração de união acabou sendo marcado por provocações à direção nacional do PT e pela defesa da convergência política.   A aliança, ainda que informal com tucanos, provocou um racha no PT estadual. Militantes ligados a movimentos sociais, grande parte vinculado aos ministros do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias e da Secretaria-Geral da Presidência da República, Luiz Dulci, se reuniram nesta semana com a candidata do PCdoB, Jô Moraes, para manifestar apoio à campanha da comunista. Jô Moraes disputa a prefeitura por coligação fechada entre o PCdoB e o PRB, com a bênção do vice-presidente da República, José Alencar.   Interior - No interior do Estado, seis cidades terão possibilidade de eleger o prefeito em dois turnos por terem atingido a marca de mais de 200 mil eleitores prevista pela lei eleitoral. É o caso dos municípios de Contagem, Betim, Uberaba, Uberlândia, Juiz de Fora e Montes Claros. Em Juiz de Fora, os eleitores foram surpreendidos em abril pelas investigações da Polícia Federal durante a Operação Pasárgada, envolvendo fraudes na liberação de recursos do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Por conta da gravidade das denúncias, o prefeito Alberto Bejani (PTB) renunciou antes do término do mandato para fugir da cassação. Disputam a prefeitura seis candidatos incluindo dois ex-prefeitos: Custódio Mattos (PSDB) e Tarcísio Delgado (PMDB), além de Omar Peres, (PV), Margarida Salomão (PT) e Rafael Pimenta (PCB).   Outra reviravolta ocorreu em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. No início do mês, o senador Wellington Salgado (PMDB) desistiu da candidatura à prefeitura para apoiar o petista Weliton Prado. A coligação reúne ainda o PSB e PCdoB, partidos da base aliada do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O prefeito Odelmo Leão Carneiro (PP) espera a participação do governador Aécio Neves (PSDB) no palanque. Além de Prado e Odelmo, concorrem João Bittar (DEM), Maurício Lúcio Mendes (PRTB) e João Batista da Fonseca (PSOL)   Em Contagem, na região metropolitana, a disputa poderá ficar polarizada entre os candidatos do PT, Marília Campos, que busca a reeleição e o ex-prefeito Ademir Lucas (PSDB). Estão também no páreo o ex-prefeito Paulo Mattos (PTB), Carlos Magno (PCdoB), Israel Pinheiro (PSTU), Carlos Pimenta (PSOL), Leonardo Antunes (PSB) e Sant Clair Terres (PMDB).   Dos 697 prefeitos de Minas em primeiro mandato, 567 vão tentar a reeleição, o que representa 81,3% do total. Os dados fazem parte de um estudo da Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições municipais 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.