Candidato de FHC estará no 2º turno, diz Nunes Ferreira

O deputado Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), ministro-chefe da Secretária Geral da Presidência da República, não foi categórico em descartar a hipótese da candidatura Pedro Malan à sucessão presidencial do ano que vem, mas garante que o candidato de FHC estará no segundo turno e com grandes chances de sair vencedor. Entrevistado no ?Jornal das Dez?, da Globo News, Nunes Ferreira lembrou que o candidato da situação partirá de um patamar de 30% dos votos.Eleitorado amadureceuNa análise do ministro, o eleitorado brasileiro amadureceu muito e, em 2002, irá examinar com cuidado as propostas dos candidatos e o que elas representarão para o avanço ou para o atraso do País. "Quem quiser prometer mundos e fundos, ´olha, eu vou fazer isso e aquilo´, achando que pode fazer isso sozinho, não vai conseguir".Saldo positivoReconheceu que o Brasil vive um momento difícil, não apenas pela crise argentina, mas sobretudo pela queda no ritmo da economia global, mas que o governo FHC tem um saldo positivo, já que o País cresceu em todos os anos da atual administração.Cara de FHCPara Nunes Ferreira, independentemente do nome, no caso Serra ou Malan, como sugeriram seus entrevistadores, o candidato da situação terá a cara do presidente Fernando Henrique Cardoso. "Qualquer que seja o candidato, ele terá que ter essa postura, esse compromisso com a estabilidade, com o crescimento econômico, com a redistribuição de renda e com a responsabilidade fiscal".Candidatura Malan"O ministro da Fazenda é um homem adulto, equilibrado, sabe o que quer e não precisa de pressão para tomar uma decisão tão importante como essa", disse Nunes Ferreira. Lembrou, porém, que o próprio Malan já descartou várias vezes a possibilidade, por não se considerar uma pessoa afeita às coisas da política.União Ciro/ItamarSobre a possibilidade de uma união entre o presidenciável do PPS, Ciro Gomes, com o governador mineiro Itamar Franco, Nunes Ferreira disse considerá-la improvável. "Eu não sei como eles vão se juntar, quem vai ser vice, quem vai ser candidato a presidente. Acho muito normal que pessoas que se opõem ao governo busquem um entendimento entre elas. As candidaturas Itamar e Ciro estão ainda buscando sua embocadura, que tipo de mensagem vão ter. Não sei se vão ser capazes de se entender num projeto. Parece que eles estão hoje unidos no veto ao atual governo, na rejeição ao presidente Fernando Henrique. Não sei se serão capazes de oferecer uma proposta que tenha futuro."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.