Candidato de Alckmin bate o de Serra na Câmara

Aníbal, que apóia o ex-governador à Prefeitura de SP, derrotou Madeira e foi escolhido líder do PSDB na Casa

Denise Madueño, O Estadao de S.Paulo

14 de fevereiro de 2008 | 00h00

A escolha do deputado José Aníbal (SP), candidato apoiado pelo ex-governador Geraldo Alckmin, como novo líder do PSDB na Câmara significou uma derrota para o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), que preferia Arnaldo Madeira (SP) para o posto. Aníbal defende a candidatura de Alckmin à Prefeitura de São Paulo, contrariando setores do partido - inclusive Serra - que querem a reeleição do prefeito Gilberto Kassab em uma aliança que signifique o apoio do DEM ao governador na disputa de 2010 para a Presidência.A eleição na bancada tucana significou uma espécie de prévia da escolha do candidato tucano na disputa municipal."A possibilidade da candidatura de Geraldo Alckmin é forte. Ele foi governador por duas vezes, candidato à Presidência com mais de 40 milhões de votos. Tem diálogo, empatia com o eleitor de São Paulo", afirmou Aníbal. Como mais um argumento para que o PSDB lance a candidatura de Alckmin, o líder lembrou que o partido já aprovou resolução no ano passado sugerindo que os tucanos tenham candidatos em todas as cidades. "A eleição é o grande teste. O partido tem de ter raiz, presença municipal, sobretudo nas cidades que são espelho."Aníbal teve 36 votos contra 22 de Madeira. O deputado licenciado Walter Feldman (PSDB-SP), secretário municipal de Esportes, voltou à Câmara ontem só para dar mais um voto a Madeira. "Voltei por 24 horas", afirmou Feldman. O deputado licenciado Custódio Mattos, secretário de Desenvolvimento Social de Minas, também deveria voltar à Câmara. Para isso, precisava ser exonerado pelo governador Aécio Neves (PSDB), que estava viajando. "Custódio não pôde vir. Ninguém conseguiu encontrar o Aécio", comentou um aliado de Madeira.Após o resultado, Madeira evitou falar em racha. "Esse episódio é menos grave do que o de Hillary e Obama", brincou, referindo-se à disputa dos dois senadores norte-americanos pela indicação do Partido Democrata à Presidência dos EUA.Os dois tucanos demonstraram perfis diferentes durante a reunião da bancada. Madeira pregou prudência, ponderação e diálogo com os aliados para as eleições de 2010. Aníbal defendeu uma atuação com mais vigor e energia. O líder eleito fez também uma campanha voltada ao chamado baixo clero - deputados que não têm muita visibilidade na Casa.Aníbal prometeu mudar o regimento interno da bancada para distribuir os espaços políticos e cargos mais democraticamente. No discurso, elogiou a bancada dizendo que todos "têm competência e são líderes".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.