Candidato de Aécio e Pimentel larga em 3º em Belo Horizonte

Jô Moraes, do PC do B, lidera com 17% da preferência dos eleitores

O Estadao de S.Paulo

19 de julho de 2008 | 00h00

O único consolo do governador Aécio Neves (PSDB) e do prefeito Fernando Pimentel (PT), que se uniram para lançar um candidato único à Prefeitura de Belo Horizonte, é a extraordinária demonstração de mineirice - se declararam indecisos 71% dos eleitores na pesquisa espontânea e 49% na pesquisa estimulada. Não fosse isso, seria difícil para o governador e para o prefeito explicarem que, até o momento, o candidato Márcio Lacerda (PSB), apoiado pelos dois, apareceu em terceiro lugar na pesquisa Ibope contratada pelo Estado e pela TV Globo.À frente da pesquisa estimulada apareceu a candidata Jô Moraes (PC do B), com 17%, seguida por Leonardo Quintão, com 14%. O candidato do governador e do prefeito surgiu em terceiro, com apenas 8%, em empate técnico com Vanessa Portugal, candidata do PSTU. Na espontânea, Jô conquistou 11%, Quintão ficou com 7% e Lacerda veio novamente em terceiro, com 5%. Sorte do governador e do prefeito que a preferência por Lacerda é bem menor nos segmentos de baixa escolaridade e baixa renda, em geral menos informadas, o que permite a suposição de que ele poderá crescer.A baixa atratividade do nome de Lacerda não é por causa de rejeição. O Ibope revelou que todos os candidatos têm baixa rejeição por parte do eleitorado. Entre os competitivos, Jô não receberia o voto de 6%, Quintão seria rechaçado por 5% e Lacerda não seria votado por 4%. Por enquanto, a situação constrangedora se repetiu nas simulações de segundo turno. Lacerda perderia nos confrontos com Jô (27% a 16%) e com Quintão (24% a 16%). Jô superaria Quintão no confronto direto por 26% a 21%. Lacerda confia, certamente, na força dos padrinhos. A pesquisa revelou que Aécio continua com uma avaliação extraordinária: 83% de ótimo e bom, 12% de regular e mirrados 4% de ruim e péssimo. Pimentel não fica muito atrás - tem 74% de ótimo e bom, 18% de regular e 6% de ruim e péssimo.Na opinião de Márcia Cavallari, a eleição do prefeito de Belo Horizonte deverá ser fortemente influenciada pela postura do governador e do prefeito. E isso começará a se evidenciar a partir do início da campanha eleitoral em rádio e TV, em 19 de agosto. Se for pouco, a avaliação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva - eventual terceiro padrinho de Lacerda - em Belo Horizonte também é alta: 61% de ótimo e bom, 22% de regular e 15% de ruim e péssimo. Além do apoio explícito do PSDB, Lacerda está coligado a uma miríade de partidos - PSB, PT, PTB, PV, PMN, PP, PR, PSL, PT do B, PRP, PSC, PTN e PSDC. Recentemente, ele participou do secretariado de Aécio no governo mineiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.