Janot minimiza críticas de Cunha e Renan

Procurador tem recebido ataques pela condução que está dando aos casos relativos à Operação Lava Jato

Talita Fernandes, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2015 | 13h49

BRASÍLIA - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, minimizou nesta terça-feira, 16, as recentes críticas que vem recebendo dos presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). "Isso é com eles. Eu não tenho nada a ver com isso não", disse, ao ser questionado sobre se a retaliação que vem sofrendo gerava algum tipo de preocupação ao Ministério Público Federal. Janot se candidatou nessa segunda, 15, para chefiar o Ministério Público Federal (MPF) por mais dois anos.

A inscrição de Janot nesse processo pode levá-lo à permanência por mais dois anos no cargo de procurador-geral da República. Ele concorre com três subprocuradores ao cargo: Carlos Frederico, Raquel Dodge e Mario Bonsaglia. A partir de agora, os quatro inscritos entram em um processo de campanha que se encerra em 5 de agosto. Os três candidatos mais votados são então encaminhados à Presidência da República, que costuma eleger o primeiro nome da lista, que segue a ordem de votos. O nome escolhido é submetido à sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e a uma aprovação pelo Plenário do Senado Federal.

Questionado sobre qual seu projeto caso seja escolhido para permanecer por mais dois anos na presidência da Procuradoria-Geral da República, Janot disse apenas que será "consolidar as metas alcançadas, realizar as que a gente não conseguiu fazer".

O procurador tem recebido críticas pela condução que está dando aos casos relativos à Operação Lava Jato. São investigados no processo 22 deputados e 13 senadores em inquéritos abertos no Supremo Tribunal Federal (STF), além de um governador e dois ex-governadores que são investigados em inquéritos que estão no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Entre os alvos das investigações estão Cunha e Renan e o senador e ex-presidente da República Fernando Collor (PTB-AL). Janot tem sido criticado por fazer, segundo os parlamentares, uma investigação "pessoal". Os investigados negam envolvimento no escândalo de corrupção que apura desvios na Petrobras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.