Imagem João Domingos
Colunista
João Domingos
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Candidato à reeleição

Mudanças feitas são estratégicas para os planos do presidente Jair Bolsonaro

João Domingos, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2019 | 03h00

As mudanças feitas na estrutura do governo, como a escolha do general Luiz Eduardo Ramos para a coordenação política no lugar do ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e a nomeação do advogado e major da PM Jorge Oliveira para a Secretaria-Geral do Palácio do Planalto, estão relacionadas com a decisão de Jair Bolsonaro de disputar a reeleição em 2022. Também faz parte desse pacote da luta pela reeleição a demissão do general Santos Cruz, que dava pouca bola para a agenda conservadora de Bolsonaro, fundamental para manter o presidente conectado com seus eleitores fundamentalistas. 

Bolsonaro sabe que o campo político da direita e da centro-direita está congestionado por pretensos candidatos à sua sucessão: os mais expostos são Sérgio Moro, João Doria, Wilson Witzel e Rodrigo Maia. Nos planos de Bolsonaro, pelo menos no que se fala nas rodas do poder, estaria a montagem de uma chapa com o ministro da Justiça no lugar do hoje vice, o general Hamilton Mourão. Nesse caso, Doria e o presidente da Câmara tenderiam a formar uma outra chapa. Witzel, por enquanto, está sem lugar nesse clube, embora tenha esperança de arrumar um jeito de a ele se associar. Por fora, menos falados, aparecem também pela centro-direita os nomes do governador de Goiás, Ronaldo Caiado, e do prefeito de Salvador, Antonio Carlos Magalhães Neto, ambos do DEM. Como se vê, há um congestionamento grande nessa estrada rumo a 2022. 

Bolsonaro tenderia a convidar Sérgio Moro para sua vice por considerar que formaria uma chapa muito forte, além de trazer para seu lado um possível concorrente. E Moro, que completará 50 anos às vésperas da eleição de 2022, poderia construir sua candidatura a partir da experiência como vice, caso a chapa consiga a vitória.

É claro que tudo isso ainda faz parte dos planos de um campo político que se viu de repente alçado ao poder pela eleição do ano passado por causa de uma série de fatores coincidentes: a forte rejeição ao PT e a Michel Temer, então na Presidência e com comichões de tentar a reeleição, a falta de união da centro-esquerda, que lançou vários candidatos, a perda de timing dos petistas, que insistiram em Lula, mesmo condenado e preso, o pífio desempenho eleitoral do tucano Geraldo Alckmin e a tentativa de assassinato de Jair Bolsonaro, o que o tirou da exposição pública dos debates e o transformou em vítima do sistema. A tudo isso, somam-se também o instinto político do atual presidente, que conseguiu traduzir para o eleitor a ideia de que era o candidato anti-Lula e anti-PT, e o impressionante aproveitamento que tirou das redes sociais para sua propaganda política.

Dificilmente essa junção de fatores ocorrerá novamente. De Bolsonaro, que agora pensa na reeleição, será exigido muito trabalho à frente do governo. Primeiro, só sua agenda conservadora não será suficiente para lhe dar condições de competitividade. Será preciso ganhar confiança dos investidores com uma gestão menos conflituosa e fazer a economia voltar aos trilhos do crescimento, com geração de empregos em massa. Não será fácil. Mas também não será impossível. Porque, embora a reforma da Previdência tenha sido assumida pelo Congresso, dentro da agenda positiva para o País, se ela for aprovada e der resultados na economia, Bolsonaro será beneficiado. Seus esforços pela aprovação do projeto podem não ser lá essas coisas, mas não há como negar que, se ele não quisesse, a proposta não teria sido apresentada.

Bolsonaro nega que seja político. Mas é. Se não fosse, não cativaria o eleitorado evangélico como cativa. Só nesse setor estão cerca de 25% ou mais um pouquinho dos votos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.