Luiz Macedo/Câmara
Luiz Macedo/Câmara

Candidato à presidência da Câmara, JHC, do PSB, quer modernizar a Casa

Deputado defendeu "tirar o parlamento do analógico", como referência à velha política, diz não pensar no toma-lá-da-cá da Casa e quer votar reforma da previdência "para todos"

Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2019 | 19h00

BRASÍLIA - Reeleito para seu segundo mandato, o deputado João Henrique Caldas (PSB-AL), conhecido como JHC, ganhou o apoio oficial do seu partido a três dias da votação. Caso eleito, o alagoano quer modernizar a Casa, "levar do analógico para o digital" e diz que quer deixar de lado o "toma-lá-da-cá".

A seguir, trechos da entrevista.

Estadão/Broadcast: Na terça-feira, a três dias da eleição, o seu partido, o PSB, decidiu apoiar a sua candidatura. O que isso altera?

João Henrique Caldas: Ganha um protagonismo maior e musculatura, inclusive, para conversar com outras siglas e composições. O PSB é um partido aguerrido que sempre se posiciona de forma firme na Casa e é uma forma de darmos uma resposta clara e uma alternativa a esse novo Brasil que exige uma nova Câmara.

Estadão/Broadcast: O PSB não corre o risco ficar isolado, sem posições importantes na Casa?

Caldas: Isso é relativo porque a gente tem de ver o valor das coisas e não o preço. O partido não está pensando no toma-lá-da-cá e fazer sua numerosa bancada em moeda de troca. Queremos é sermos respeitados pelos nossos valores e pela coerência que mantém enquanto partido.

Estadão/Broadcast: Qual o motivo que levou o senhor a se candidatar?

Caldas: Houve um recado muito claro das urnas que exige um novo Brasil, uma quebra de paradigmas. Então, é por entender que posso representar esse novo momento. Tirar o parlamento do analógico, trazer para o digital e se aproximar mais da população. Precisamos resgatar a credibilidade, imprimir um novo ritmo e se comunicar de uma forma diferente com essa população.

Estadão/Broadcast: Como o senhor vê propostas de aumento de salário dos deputados e questões como auxílio-mudança?

Caldas: Sou contra as duas coisas. Inclusive, antes de ser polêmica, há quatro anos eu devolvi meu auxílio em forma de doação para uma instituição.

Estadão/Broadcast: Caso eleito, o senhor pautaria a reforma da Previdência nos moldes em que ela já foi discutida na Casa? Há algum ponto que barraria o projeto na sua gestão?

Caldas: Estamos aguardando ainda um esboço do que seria essa reforma. Mas a minha preocupação é com uma possível injustiça geracional. Os jovens de hoje para puderem ter lá na frente seu direito à aposentadoria, pelo cálculo atuarial e pelas previsões que nós temos praticamente fica inviabilizado de assim receber, como também compromete quase que por todo o orçamento e as despesas do nosso País. Então se não tiver ao menos a discussão da idade mínima, eu acho difícil a gente avançar numa discussão em relação à Previdência. Claro que nós temos de tratar das diferenças regionais e expectativa de vida. Também temos de cortar privilégios e tem de ser uma reforma para todos, onde todos estejam incluídos. Não pode ter classes privilegiadas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.