CANDIDATA VIVE MOMENTO ESTELAR

Ex-ministra causa sensação entre jovens na Bienal

O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2014 | 02h02

"É a presidenta que não morreu no acidente do avião", explicou uma eleitora à criança que a acompanhava na Bienal do Livro, em São Paulo. Falava sobre Marina Silva.

Por onde passava, a nova candidata do PSB à Presidência era imediatamente reconhecida e, invariavelmente, vinculada à imagem de Eduardo Campos, morto em um acidente aéreo no dia 13.

Terceiro lugar nas eleições presidenciais de 2010, Marina sempre foi uma vice pop. Quando ia a um evento com Campos, costumava ser mais assediada que o próprio candidato.

Agora na cabeça de chapa, e depois de toda a exposição involuntária por causa da tragédia, tem causado frisson por onde passa. Na tarde de ontem, crianças e adolescentes, principal público do evento em dias de semana, se aglomeraram em torno dela para tirar fotos e as já populares selfies.

"Eu não posso votar ainda, mas você teria meu voto", gritou um adolescente ao ver Marina. A candidata teve dificuldades para andar pelo pavilhão da Bienal. Precisou que assessores fizessem uma corrente ao seu redor e agilizassem o percurso.

Enquanto ela era bastante assediada, seu vice, o deputado Beto Albuquerque (PSB-RS), passava despercebido. Depois de servir de fotógrafo para alguns jovens, foi instruído por assessores a também sair nas fotos. "Deixa eu aparecer junto", dizia sem constrangimento e abraçando a candidata. / ISADORA PERON e ANA FERNANDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.