Cancelamento de visto não é cerceamento à imprensa, diz Singer

O porta-voz da Presidência da República, André Singer, disse que a decisão do governo brasileiro de cancelar o visto de permanência do correspodente do jornal New York Times no Brasil, Larry Rohter, não significa cerceamento da liberdade de imprensa. Ele fez essa afirmação ao responder a um questionamento sobre declaração do porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Richard Boucher, segundo o qual a decisão do governo brasileiro não combina com o forte compromisso do Brasil com a liberdade de imprensa. "Não há qualquer ameaça à liberdade de imprensa no Brasil. Este episódio não se refere à liberdade de imprensa", observou Singer, que fez um longo relato sobre como o governo brasileiro chegou à decisão de expulsar Rohter. O porta-voz negou que o presidente ainda pretenda entrar com pedido de indenização na Justiça norte-americana por danos morais contra o jornal e o repórter. Segundo ele, a decisão de expulsar Rohter encerra a questão. Ele argumentou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva avaliou e buscou uma retratação por parte do jornal norte-americano, antes de pedir a expulsão do jornalista. Singer disse que o artigo publicado pelo NYT, com insinuações de que o uso de bebidas alcoólicas estaria afetando o governo Lula, "foi gratuito, leviano, maldoso e cheio de invencionices".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.