Canadenses terão de enfrentar um frio de ?40º para fumar

Os fumantes do Ártico canadense terão um novo inimigo, a partir de 1º de junho: o governo começa a executar a lei que compele seus cidadão a fumar ao ar livre, mesmo em temperaturas abaixo de zero.A legislação anti-fumo foi aprovada dia 1º de maio nos Territórios Nordestinos e Nunavut, a vasta região canadense que se estende do Alasca à Ilha Baffin.As multas vão de US$ 55 (R$ 172,15), para quem fumar muito perto de uma porta, a US$ 3.650 (R$ 11.424,50) para o estabelecimento comercial que permitir o fumo em seu recinto. Acender um cigarro num lugar público pode custar ao transgressor US$ 265 (R$829,45).Até agora, a proibição parece estar funcionando. Apenas algumas admoestações verbais foram aplicadas. Funcionários do governo, que dizem não querer cobrar multas até junho, admitem estar surpresos com o nível de cumprimento da lei.?As pessoas estão realmente aceitando (a proibição). Estão realmente compreendendo?, diz Erin Levy, especialista em redução de tabaco do governo de Nunavut, sediado em Ingaluit, na Ilha Baffin, exatamente ao sul do Círculo Ártico.?Talvez porque o tempo esteja bom?, ele admite.A temperatura em Igaluit, ontem ao meio-dia, era de 0 graus, relativamente quente para um lugar onde a máxima, num dia quente de julho, provavelmente não ultrapassará os 18 graus.?Veremos quando a temperatura cair para menos 40. Com ventos gelados podendo chegar a 80?, diz Levy.Os fumantes são cerca de 62% da população de 68.000 pessoas, no extremo norte, a maioria de Inuits, ou esquimós. Entre os adolescentes, a taxa chega a 80%.O único local público onde fumar em recinto fechado ainda é permitido é a prisão. Mas só se houver uma nevasca, e o cigarro é limitado a dois por dia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.