Campos superar Aécio 'Não seria tragédia', diz FHC

Ex-presidente, porém, ressalta acreditar em senador tucano e diz que governador precisa 'se encorpar' para haver 2º turno

Gabriel Manzano, de O Estado de S.Paulo,

09 de novembro de 2013 | 07h06

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse ontem que "não será nenhuma tragédia" se, nas eleições presidenciais do ano que vem, o PSB tomar o lugar do PSDB na disputa de um eventual segundo turno com a presidente Dilma Rousseff, hoje a grande favorita da disputa. "Não acredito nessa possibilidade, mas se ela ocorrer não será nenhuma tragédia", afirmou FHC. "O que eu acho é que temos de ter alternância no poder. O PT está há muito tempo no poder".

 

FHC advertiu, no entanto, que o governador Eduardo Campos, provável nome do PSB para 2014, "tem que encorpar", porque "se ele não encorpar, não teremos segundo turno". A avaliação foi feita em entrevista ao blog do jornalista Kennedy Alencar.

 

O ex-presidente deixou claro, na conversa, que não acredita nessa possibilidade - a de o provável candidato tucano, Aécio Neves, vir a ser superado nas urnas pelo governador pernambucano. Em seu entender, Aécio "tem mais condições, porque a organização do PSDB é maior". Mencionou, então, os Estados de São Paulo, Minas, Paraná, que têm um grande eleitorado, e o Pará. "O Aécio tem um enorme apoio em Minas, enquanto o Eduardo só tem Pernambuco", completou. No cenário eleitoral por ele traçado, o apoio da ex-senadora Marina Silva "vai ajudar, e é bom que ajude mesmo" a fortalecer a candidatura de Campos. Mas o que ele preferia mesmo, segundo observou, era que houvesse quatro candidatos fortes na disputa - ou seja, que Marina tivesse conseguido registrar a sua Rede Sustentabilidade. "Tinha que ter quatro candidatos. Agora é mais complicado".

 

Renovação. FHC justificou sua decisão de apoiar o nome de Aécio - e não o do ex-governador José Serra - pela necessidade de renovação. "Há um momento em que é preciso renovar. O Serra é um quadro muito capaz, votei nele a vida inteira, mas é o momento de Aécio." Recorreu ao exemplo de seu sucessor, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que depois de lançar Dilma à Presidência indicou Fernando Haddad na disputa pela Prefeitura de São Paulo e agora defende o ministro Alexandre Padilha para disputar o governo paulista. "Hoje há uma fadiga de material, um certo cansaço. O Lula percebeu isso, tentou colocar candidatos novos".

 

Candidatura. Mas Fernando Henrique não defendeu como indispensável o lançamento antecipado da candidatura - uma questão que veio à tona, dentro do PSDB, depois de Serra ter insistido na ideia de se aguardar até março de 2014 para a definição do candidato tucano.

 

"Na verdade, já estamos em disputa", afirmou o ex-presidente. "Dilma já tem uma agenda de candidato. No cargo, tem uma enorme vantagem e temos que contrabalançar isso o mais cedo possível." Para ele não é preciso "lançar necessariamente a candidatura", mas sim "atuar como candidato". "Não há necessidade de lançamento formal", completou. Provocado pelo entrevistador Alencar a dizer a marca do governo Dilma, falou em "produtivismo", volta ao governo (Ernesto) Geisel: produzir, crescer. Mas não está crescendo. Então a marca é da frustração."

 

Tapando buraco. FHC também descartou a acusação de que haja uma campanha de terror da oposição, do mercado e da mídia quanto à situação fiscal do País. A situação "não está fora do controle", mas há "sinais graves de que (o governo) está perdendo a higidez fiscal". Em resumo, ele entende que o quadro não é "caótico", "mas dá a impressão de que o governo está tapando buraco".

 

O ex-presidente queixou-se, também, da "falta de generosidade" do ex-presidente Lula, que resiste a admitir ações positivas de seu governo. "Falta um pouquinho de generosidade e reconhecer as coisas", reclamou. "O Lula não consegue".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.