Campos: somente parte da reforma valerá em 2014

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), alertou, em entrevista no Palácio do Planalto, que algumas das propostas de reforma política não valerão para as eleições do ano que vem. "Alguma coisa deve valer para 2014, mas nem todo o conjunto da reforma necessariamente valerá para 2014", declarou ele, explicando que somente o debate no Congresso poderá definir o que entrará em vigor e o que não valerá para as eleições do ano que vem. "Isso é uma decisão que vai ser dada no debate no Congresso Nacional. Pode ser objeto, inclusive, do próprio plebiscito, se o plebiscito acha que todas as regras deverão valer imediatamente ou não", comentou.

TÂNIA MONTEIRO, Agência Estado

27 Junho 2013 | 19h57

Em sua fala, Eduardo Campos traduziu a preocupação de boa parte dos parlamentares que temem alterações nas regras do jogo. Afinal de contas, deputados e senadores nunca quiseram promover a reforma política, justamente para não prejudicarem seus projetos políticos pessoais, correndo perigo de não se elegerem pelas novas regras. O Planalto já percebeu isso mas, neste momento, não abre mão de realizar o plebiscito ao entender que algo precisa ser feito para servir como resposta à população que está realizado protestos nas ruas do País. "Alguma coisa tem de ser aprovada", tem repetido a presidente Dilma Rousseff nas diferentes reuniões desta quinta-feira. Com isso, a pressão popular seguiria para o Congresso.

Mais conteúdo sobre:
Dilma reforma política Eduardo Campos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.