Campos não comenta afirmação de que é dissidente

Na véspera do encontro com a presidente Dilma Rousseff, em Serra Talhada, no sertão pernambucano, a 415 quilômetros do Recife, o governador Eduardo Campos, provável candidato à Presidência da República, não quis comentar a afirmação feita ontem pelo seu novo aliado, senador Jarbas Vasconcelos (PMDB), que o considerou "dissidente do governo federal".

ANGELA LACERDA, Agência Estado

24 de março de 2013 | 19h52

Presidente nacional do PSB, Eduardo recebe a presidente no seu Estado depois de muitos adiamentos. Desta vez, foi cancelada a visita ao Recife, onde a presidente Dilma iria inaugurar um trecho da BR-408 na região metropolitana. Eduardo iria oferecer a ela um almoço na sua casa. Especula-se que ela estaria desconfortável com as movimentações políticas do governador e preferiu alterar a agenda, restringindo-a para a visita a Serra Talhada, no sertão, a 415 quilômetros da capital. Ali, será entregue a primeira etapa da adutora do Pajeú - 118 quilômetros de um total de 598 quilômetros. A adutora vai levar água do Rio São Francisco para 21 municípios pernambucanos e oito paraibanos, beneficiando 400 mil pessoas.

Esta será a quarta visita da presidente a Pernambuco. A última foi em fevereiro do ano passado, quando ela fez a entrega de apartamentos no habitacional Via Mangue II. O Recife ainda era comandado pelo PT, que rachou na campanha eleitoral do ano passado e deu espaço para o governador eleger, no primeiro turno, o seu secretário de Planejamento Geraldo Julio (PSB), quebrando a hegemonia petista de 12 anos na capital. Neste período, ocorreu a reconciliação com o senador Jarbas Vasconcelos, depois de 20 anos de rompimento.

Eduardo Campos faz questão de dizer que a relação com a presidente é boa e que seu partido está na base do governo federal, assim como o PT faz parte do seu governo. Repete, a cada questionamento sobre candidatura, que só discute eleição em 2014.

Hoje, o governador participou, pela manhã, de passeio ciclístico com a família, inaugurando as ciclofaixas móveis no Recife, que irão funcionar todos os domingos. À tarde, prestigiou evento no bairro do Recife Antigo, que foi fechado para veículos para dar espaço para a população se divertir e curtir o espaço e a cidade. A Orquestra dos Meninos do Monte do Bom Jesus, de Caruaru, no agreste, integrada por cerca de 40 jovens de nove a 14 anos, foi a atração artística. As crianças são de uma área que era dominada pelo tráfico de crack e pela violência, pacificada pelo governo estadual há dois anos e meio. Em parceria com a prefeitura, elas aprenderam a tocar violino e viola.

Mais conteúdo sobre:
Eduardo Camposdissidente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.