Campos minimiza resultados da pesquisa CNI-Ibope

O governador de Pernambuco, governador Eduardo Campos, presidente nacional do PSB, minimizou nesta terça-feira a pesquisa CNI/Ibope que revelou aumento no porcentual de aprovação do governo da presidente Dilma e da sua forma de governar. "A pesquisa dá exatamente o resultado que vinha dando", disse ele. "A pesquisa diz o que já dizia em janeiro, que já dizia em dezembro, o que já dizia em novembro, não há alteração". Ele destacou, no entanto, a importância da confiança da população "em um momento decisivo como esse", para o governo federal poder dar conta dos desafios.

ANGELA LACERDA, Agência Estado

19 de março de 2013 | 19h45

"O importante é que em um ano duro, a presidente tem uma pesquisa como essa para ela fazer uso para ganhar o ano de 2013, que é tudo que os brasileiros desejam: reconduzir o Brasil a um processo de crescimento econômico, distribuição de renda, animar os investidores, ganhar o ano", disse Campos. "É claro que é mais fácil ganhar um ano quando a gente tem aceitação".

Indagado se a posição confortável da presidente, com um nível tão alto de aprovação, inviabilizaria outras candidaturas em 2014, o governador pregou calma. "É bom a gente ter tranquilidade para esperar as circunstâncias serem colocadas para ninguém cantar vitória antes da hora, nem ninguém chorar antes da hora".

"Se vai haver espaço ou não no debate eleitoral de 2014 só vamos saber quando 2014 chegar", frisou. "Vocês viram e assistiram em outras eleições, previsões sendo feitas", lembrou. "Eu vi gente dizendo em 2005 que Lula jamais se reelegeria presidente da República, chegou 2006 e ele se reelegeu; vi gente chamando a presidente Dilma, em 2010, que ela era ''inelegível'' e ela ganhou".

O governador deu entrevista durante lançamento da revista "Gestão Pública PE", que pretende ser, segundo Campos, "um espaço democrático para debater a gestão do setor público no século 21". A publicação, da Secretaria estadual de planejamento, teve, em sua primeira edição tiragem de mil exemplares e será distribuída com as secretarias de Planejamento de todo o País, o meio acadêmico e gestores estaduais me municipais de Pernambuco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.