Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Campos inaugura comitê de campanha em SP com Erundina

O candidato esteve acompanhado de Marina Silva, vice em sua chapa

ANA FERNANDES, Agência Estado

21 de julho de 2014 | 11h57

Puxado por uma Luiza Erundina que cantava com força "um, dois, três, Eduardo presidente", o candidato à Presidência Eduardo Campos (PSB) chegou nesta segunda-feira, 21, para o evento de inauguração de seu comitê de campanha, na rua Borges Lagoa, Vila Clementino, em São Paulo. A deputada, figura conhecida do PSB em São Paulo, deve começar a participar mais ativamente da campanha de Campos e de sua vice, Marina Silva.

Marina chegou poucos minutos depois ao evento. Para reforçar a ideia de que a campanha será "programática", a inauguração terá como tema a saúde pública, segundo o coordenador de campanha Carlos Siqueira. Roberto Luiz d''Avila, presidente do Conselho Federal de Medicina, foi o primeiro a discursar no evento. Tratando Campos de "futuro presidente", disse que o governo atual trata com descaso a saúde pública, sem investir recursos suficientes. "Este governo que está aí tem humilhado os médicos brasileiros", afirmou.

Sobre o programa do governo federal que trouxe médicos cubanos ao País, o Mais Médicos, d''Avila defendeu que os médicos não são xenófobos, mas que seria importante o governo ter aceitado o sistema de revalidação de diploma para trazer estrangeiros para atuar como médicos. "Precisamos de mais médicos, mas também médicos melhores", afirmou.

O deputado Walter Feldman, porta-voz da Rede Sustentabilidade, de Marina, que falou na sequência, também ressaltou que o bairro da Vila Clementino tem um histórico de bairro universitário ligado à área da saúde. A poucas quadras do comitê fica a Escola Paulista de Medicina, da Unifesp.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesEduardo CamposSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.