Campos espera que mensalão vire 'lição' para classe política

Provável candidato à Presidência, governador evitou comentar o fato de seu partido ter feito parte da base aliada do governo Lula

Isadora Peron - O Estado de S. Paulo

18 de novembro de 2013 | 12h47

O governador de Pernambuco e provável candidato à Presidência da República, Eduardo Campos (PSB), disse nesta segunda-feira, 18, esperar que toda a classe política tire uma lição do episódio do mensalão.

Na sexta-feira passada, o Supremo Tribunal Federal (STF) mandou executar a prisão de 12 condenados, entre eles o ex-ministro José Dirceu e o ex-presidente do PT José Genoino.

"Eu espero que a política brasileira mude para melhor. É hora de todos tirarem uma lição desse episódio", disse. Segundo Campos, o desafio daqui para a frente será como cada um "vai contribuir para que a política melhore".

O governador desconversou sobre o fato de o PSB fazer parte da base aliada do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva quando o escândalo veio à tona, em 2005. "Muita coisa boa aconteceu na vida do brasileiro nesses dez anos", disse Campos, cujo partido rompeu com o governo apenas em setembro deste ano.

Campos tem agenda cheia em São Paulo nesta segunda-feira. Pela manhã, participou de uma reunião com representantes do agronegócio, na sede da Sociedade Rural Brasileira (SRB), no centro de São Paulo. Pelo menos outros três encontros com banqueiros e empresários estão agendados ao longo do dia na capital.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalaoeduardo campos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.