Campos diz que dará condição para País crescer 4% ao ano

Segundo candidato, esse é o patamar de países como Chile, Peru e Colômbia

LUCIANA NUNES LEAL, Estadão Conteúdo

12 de agosto de 2014 | 18h17

O candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, disse nesta terça-feira que, se eleito, criará condições para que a economia do País cresça 4% ao ano e citou que esse é o patamar de vizinhos como Chile, Peru e Colômbia.

O candidato recorreu à alusão à derrota do Brasil para a Alemanha na Copa do Mundo. "Não é só no futebol. Na economia, estamos perdendo de 7 a 1. A inflação está em 7% e o crescimento, abaixo de 1%. É preciso confiança, liderança, passar aos agentes econômicos a segurança de que o Brasil será governado com responsabilidade fiscal e segurança jurídica, para alavancar investimentos públicos e privados, segurar o consumo e termos o Brasil crescendo à média de 4%", disse o ex-governador de Pernambuco depois de uma visita ao arcebispo do Rio de Janeiro, d. Orani Tempesta.

Ao criticar a política de combate ao crime do governo da presidente Dilma Rousseff, Campos disse que, no País, "só não tem dinheiro para as coisas que interessam à população". O candidato, que já prometeu um fundo de R$ 12 bilhões para financiar o passe livre para alunos de escolas públicas, anunciou a intenção de reforçar o Fundo Nacional de Segurança Pública. "De cada R$ 100 colocados em segurança, apenas R$ 15 vêm da União, que arrecada 60% dos impostos. Tem alguma coisa errada: a União está fora de um tema central para a cidadania. É uma questão de prioridade. Não arruma dinheiro quando os juros aumentam? Não arruma dinheiro para colocar nas empresas do setor elétrico? E não tem dinheiro quando falamos de escola integral, de passe livre, de R$ 6 bilhões para o Fundo Nacional de Segurança", afirmou.

O candidato disse ter conversado com d. Orani, entre outros temas, sobre os problemas da saúde pública, e cogitou, se eleito, transferir para o Estado do Rio a administração de alguns hospitais federais. "Alguns hospitais federais no Rio estão entregues ao fisiologismo e à gestão temerária. Se o Estado desejar administrar, pode assumir algumas unidades". Campo concederá entrevista ao "Jornal Nacional", ao vivo, na noite de hoje, no estúdio da TV Globo no Jardim Botânico (zona sul).

Mais conteúdo sobre:
eleiçõesCamposdOrani Tempesta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.