Campos culpa burocracia por propaganda com instituição privada

De acordo com o presidente do PSB,não haveria 'tempo hábil' para providenciar documentação e filmar em prédio público

MARCELO PORTELA, Agência Estado

03 de outubro de 2013 | 17h22

O governador de Pernambuco e possível candidato à Presidência em 2014, Eduardo Campos, atribuiu à legislação brasileira a opção por usar uma instituição de ensino particular para falar do ensino público em programa político do PSB veiculado durante a semana. "Estamos pagando pelo excesso de zelo", disse Campos, referindo-se às críticas de que o programa faz propaganda enganosa.

Segundo o presidente do PSB, a empresa que produziu o material veiculado nas TVs preferiu usar a Faculdade Maurício de Nassau para evitar questionamentos jurídicos. "O entendimento da produtora que foi contratada pelo partido para fazer o programa é que deveria fazer uma produção e não ir a uma escola pública para amanhã não estar se dizendo que foi utilizada uma escola pública", disse.

O governador alegou que, para fazer as filmagens em prédios públicos, seria necessário "fazer um requerimento e tramitar o requerimento" e não haveria "tempo hábil" para providenciar a documentação. "Poderia ser num estúdio", declarou. "Tanto que pusemos um avião que não é um avião, é uma cena. E pusemos uma escola como representação, para evitar problema jurídico de dizer que estávamos fazendo propaganda eleitoral em prédio público. Qual o problema que tem nisso?", acrescentou. E garantiu que "tem a realização". "Tem (escola) mais bonita, melhor que aquela. O importante é o conteúdo do programa, o compromisso com a Educação pública", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
Eduardo camposPSBinserção

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.