Campos critica pressão para Lula vetar rateio de royalty

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), criticou a pressão dos governos de Rio de Janeiro e Espírito Santo para que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva vete o rateio dos royalties do pré-sal. Em entrevista no Palácio do Planalto, Campos disse que é preciso um acordo político para distribuir de forma igualitária as receitas. "O veto à proposta aprovada pela Câmara de distribuição dos royalties sem um acordo é uma medida que vai agredir o interesse da maioria dos Estados", afirmou.

LEONÊNCIO NOSSA, Agência Estado

06 Dezembro 2010 | 14h15

A uma pergunta se estava propondo que a decisão do veto seja tomada apenas no próximo governo, Campos respondeu que é possível ainda no governo Lula fazer o acordo. "Isso não pode ser um cabo de aço. É um erro grave colocar o presidente Lula a poucos dias de deixar o governo em uma situação indesejável", afirmou.

O governador disse que é hora de uma mediação política. "Não estamos aqui para colocar o presidente Lula contra a parede e contra o Rio de Janeiro, o Espírito Santo e São Paulo. Queremos apenas o bom senso", disse. "Não queremos que os royalties do Brasil sejam só de alguns Estados."

Campos disse que não é possível que na questão dos royalties haja um desequilíbrio. "Nessa altura, forçar o presidente a fazer um veto sem um acordo não é uma política correta."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.