Campinas tem seu primeiro semáforo para cegos

O primeiro semáforo sonoro para travessia de cegos da cidade de Campinas (SP) foi instalado hoje na Rua Antônio Carlos Salles Júnior, no Jardim Lemos, em frente ao Instituto Louis Braille. O equipamento foi desenvolvido pela Empresa de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) com consultoria dos próprios deficientes visuais. O diretor de Trânsito da Emdec, Robert May Neto, disse que a empresa municipal optou por uma solução caseira que dispensasse a licitação. O equipamento tem uma placa - feita em amálgama dentário - onde onde está inscrito em Braille: Aperte o botão e aguarde. Uma campainha - desenvolvida ao custo de R$ 50 - soa constantemente quando o sinal está verde para o pedestre. O semáforo completo foi orçado em R$ 14,8 mil. Os deficientes têm 25 segundos para percorrer as duas pistas da avenida. O ruído intermitente indica que o sinal está vermelho para os pedestres e verde para os veículos. Segundo May, foram necessárias apenas 30 horas de laboratório e um dia de testes para implantar o semáforo sonoro. Ele lembrou que o semáforo sonoro estará ativado entre as 6 e as 19 horas, durante o horário de funcionamento do Instituto Louis Braille.O professor de locomoção do Instituto Braille, Osvaldo Franco, avaliou que o semáforo inaugurado hoje é o primeiro passo de uma longa caminhada. "Tudo é muito difícil para os deficientes porque as cidades são construídas de maneira desorganizada, para quem enxerga. São muitos os obstáculos para os deficientes superarem".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.