Campinas pede reabertura da inquérito da morte do prefeito

Uma comitiva de cerca de 40 pessoas, liderada pelapsicóloga Roseana Garcia, viúva do prefeito de Campinas Antonio da Costa Santos (PT), deve sair amanhã à noite de Campinas com destino a Brasília para pedir a reabertura do inquérito que apura a morte de Toninho, como era chamado o prefeito assassinado com um tiro em setembro de 2001. Roseana quer entregar ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) umdocumento com 57 mil assinaturas pedindo que as investigações sejam refeitas.Segundo a viúva, o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, garantiu que ela seria recebida pelo presidente em Brasília."Estou muito confiante na sensibilização das autoridades", disse. As assinaturas foram colhidas de setembro do ano passado até março deste ano, junto aos moradores de Campinas, na campanha batizada de Quem Matou Toninho?.Cópias do abaixo-assinado serão entregues a entidades de direitos humanos de Brasília, à Comissão Nacional dos Direitos Humanos e a órgãos do governo federal. No inquérito policial e no processo que tramita na Justiça de Campinas o seqüestrador Wanderson Nilton de Paula Limaresponde por co-participação no assassinato, que teria sido cometido por sua quadrilha, conforme acusam Polícia Civil epromotores públicos estaduais. Outros três integrantes da quadrilha, inclusive o acusado de ter disparado o tiro que matou o prefeito, foram mortos emconfrontos com policiais. O Ministério Público de Campinas reconhece que a motivação do crime não está esclarecida, masinsiste que há provas sobre a autoria. "Se surgirem novos indícios, inclusive sobre crime de mando, retomaremos asinvestigações", diz o promotor Fernando Viana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.