Campinas cria projeto de lei contra cigarro

A Prefeitura de Campinas decretou guerra contra o cigarro. Projeto de lei aprovado pela Câmara Municipal e sancionado pelo prefeito Antonio Costa Santos (PT) proíbe o fumo em qualquer ambiente fechado, de shopping centers e restaurantes a bares noturnos. O projeto também proíbe contratos com fabricantes de cigarros por parte da prefeitura, concessionárias e permissionárias de serviço público. Determina ainda a criação do Conselho Municipal de Prevenção e Controle do Tabagismo. O projeto, publicado no Diário Oficial do município no sábado, é de autoria do vereador Dário Saadi (PSDB), urologista, que tem a luta contra o tabagismo como bandeira política. No fim do ano passado, Saadi propôs a criação de lei obrigando o município a recorrer à Justiça contra as indústrias de tabaco para ser ressarcido de gastos com vítimas de doenças decorrentes do fumo. O projeto foi aprovado e sancionado pelo então prefeito, Francisco Amaral (PDT), e previa seis meses para os estudos sobre gastos com doentes. A diretora do Departamento Municipal de Saúde, Maria do Carmo Cabral Carpintéro, explicou que esse levantamento é muito complexo e vai exigir mais de seis meses. Para a presidente do Sindicato dos Médicos de Campinas e Região, Silvia Matheus, ex-fumante, "fumar em locais fechados incomoda demais os não-fumantes". O projeto deverá ser regulamentado em 60 dias, quando serão definidas as punições para os infratores e campanhas de prevenção. "Os jovens são as maiores vítimas de campanhas publicitárias perversas, que associam o cigarro ao sucesso e às conquistas", afirma Saadi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.