Campanha na TV em SP tem imagens de Lula e FHC

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi uma das principais estrelas do primeiro programa do horário eleitoral gratuito da candidata da coligação "Uma Nova Atitude para São Paulo" (PT-PCdoB-PDT-PTN-PRB-PSB) à Prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy. O programa do candidato Geraldo Alckmin (PSDB) mostrou um depoimento do ex-presidente Fernando Henrique, enquanto o do atual prefeito e candidato à reeleição, Gilberto Kassab (DEM), exibiu imagens do governador de São Paulo, José Serra (PSDB). O programa de Marta Suplicy, líder nas pesquisas de intenção de voto, aproveitou o bordão "deixa o homem trabalhar" usado na reeleição do presidente Lula, em 2006, para dizer "deixa ela trabalhar". "Tenho certeza que a volta de Marta para a Prefeitura é a melhor coisa que pode acontecer para São Paulo neste momento. Ela está ainda mais preparada. Temos plena afinidade e juntos podemos fazer muitas coisas pelos paulistanos, ainda mais para os mais pobres", disse, sorrindo, o presidente. Marta afirmou que está hoje mais preparada e conta com importantes apoios políticos para governar a cidade. "Vou apoiar a inclusão social e a nova classe média", disse ela. No final do programa, ela foi apresentada como uma espécie de "mãe dos pobres", pois "nasceu rica e escolheu ficar ao lado dos pobres".Já o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, trouxe um depoimento curto do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, desejando-lhe boa sorte e fez uma chamada para o programa da noite de hoje, que vai ao ar a partir das 20h30, dizendo que este será o de estréia. O programa da noite do tucano deverá trazer o tão aguardado depoimento do governador de São Paulo, José Serra. Nessas eleições da Capital, Lula e Serra são os dois padrinhos mais disputados pelos candidatos. O candidato da coligação "São Paulo, na Melhor Direção" (PSDB-PTB-PHS-PSL-PSDC) mostrou também, no programa de abertura, imagens de Mário Covas, dizendo que em 2002 foi eleito governador para continuar as obra de Covas e em 2006 Serra assumiu o executivo paulista para continuar as suas obras.O prefeito e candidato à reeleição, Gilberto Kassab (DEM), também tentou colar seu programa na imagem do governador José Serra. Com o maior horário do horário eleitoral gratuito (8m44s), o programa mostrou, pelo menos quatro vezes, cenas de inaugurações na cidade com a presença de Serra e Kassab, dizendo que os dois, ao assumirem a Prefeitura, ajudaram a tirar a cidade do caos deixado pela antecessora, a petista Marta Suplicy. O programa do candidato da coligação "São Paulo no Rumo Certo" (DEM-PR-PMDB-PRP-PV-PSC) também fez uma ironia ao bordão utilizado por Marta, dizendo que é melhor o eleitor avaliar se "pára tudo para começar do zero, ou deixa o prefeito continuar a trabalhar".O candidato do PP, Paulo Maluf, disse que investiu muito mais do que os outros na cidade e que o dinheiro do povo, em suas gestões (prefeitura e governo) foi transformado em obras. Ele citou os principais feitos, como o túnel Ayrton Sena, a avenida Águas Espraiadas, hoje Roberto Marinho. E com o bordão "Esse é o cara", foi mostrada também a opinião de populares que aprovaram suas gestões. "Ninguém trabalhou tanto e aplicou tão bem o dinheiro da cidade como o engenheiro Paulo Maluf, esse é o cara, esse é o cara", foi a principal mensagem do programa de estréia.Abertura do programa O horário eleitoral gratuito na TV, que começou hoje às 13 horas, foi aberto pelo candidato do PTC, Ciro Moura. O candidato utilizou o famoso bordão "o tostão contra o milhão" (PTC-PTdoB) e frisou: "Não sou melhor, nem pior que ninguém". A candidata do PPS, Soninha Francine, utilizou o reduzido tempo para dizer que há outras maneiras de se fazer campanha política, inclusive no horário eleitoral. "Quem disse que não tem outro jeito?", questionou a candidata, dizendo que como repórter, vereadora, ciclista, pedestre e passageira de ônibus quer uma cidade mais feliz e com menos distância entre ricos e pobres.O candidato do PRTB, Levi Fidelix, voltou a apresentar uma de suas grandes bandeiras na estréia do horário eleitoral, o Aerotrem. Ele disse que o fura-fila era uma versão de sua plataforma e ironizou: "Prefira o original, o resto é cópia". Já o programa do candidato do PSOL, Ivan Valente, disse que eleitor deveria votar em quem não tem rabo preso. O candidato da coligação "Alternativa de Esquerda para São Paulo" (PSOL-PSTU) apareceu ao lado da ex-senadora Heloisa Helena, enquanto o locutor dizia: "Vote no coração Valente".O programa de Edmilson Costa (PCB) propôs a chamada governança comunista para a cidade de São Paulo, uma administração na qual a população é quem deveria tomar a direção política de São Paulo. Anaí Caproni (PCO), apareceu com um cenário de fábrica ao fundo e utilizou o bordão de outras eleições: "Quem bate cartão não vota em patrão". Renato Reichmann (PMN), disse que se for eleito mudará a cidade de São Paulo e voltou a falar na sua principal bandeira: educação, educação, educação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.