Campanha eleitoral começa oficialmente nesta terça-feira

Cada um escolheu uma cidade como ponto de partida: Dilma estará em Porto Alegre, Serra, em Curitiba, e Marina, em São Paulo

Carol Pires / BRASÍLIA - O Estado de S.Paulo

06 Julho 2010 | 00h01

Cada um dos candidatos à presidência da República escolheu uma cidade estratégica para dar largada na corrida eleitoral. Nesta terça-feira, 6, quando começa oficialmente a campanha, Dilma Rousseff (PT) estará em Porto Alegre (RS), José Serra (PSDB), em Curitiba (PR), e Marina Silva (PV), em São Paulo (SP).

 

Saiba o que os candidatos podem e não podem fazer com o início da campanha

 

Os três são os candidatos mais bem colocados nas pesquisas de intenção de voto. Dilma aparece empatada com Serra na última pesquisa Ibope com 39% das intenções de voto contra 10% de Marina.

 

PT

Dilma Rousseff escolheu como ponto de partida Porto Alegre, cidade onde começou a vida política pelo PDT e assumiu o primeiro cargo público, de secretária de Fazenda da prefeitura da cidade em 1986. De volta à cidade que a acolheu (Dilma é de Minas Gerais), a candidata do PT fará uma caminhada pela Rua da Praia, conhecido ponto tradicional de passeatas e manifestações políticas. Será a quinta vez que ela visitará a cidade desde abril, quando deixou a Casa Civil.

 

Outro fator importante na escolha da capital gaúcha como palco para a festa de início de campanha é o poder de atração da militância petista para a passeata. O Rio Grande do Sul tem 8,1 milhões de eleitores, sendo cerca de um milhão concentrado na capital. O candidato do PT ao governo do Estado, o ex-ministro da Justiça Tarso Genro, lidera as intenções de voto com 37%, segundo a última pesquisa Ibope. O segundo colocado, o ex-prefeito de Porto Alegre José Fogaça (PMDB), tem 30%.

 

A idéia original da campanha petista era que Dilma assistisse ao jogo do Brasil na Copa do Mundo nesta terça-feira, e fizesse a passeata de abertura da campanha na quarta-feira, em São Paulo. Com a eliminação da seleção do campeonato, o PT articulou a ida dela a Porto Alegre, mas manteve a visita a São Paulo, o maior colégio eleitoral do País. Em São Paulo, o script é o mesmo: fará uma caminhada pelo centro da capital paulista carregando a tiracolo Aloízio Mercadante, candidato do PT o governo do Estado, e Marta Suplicy, que tentará uma vaga no Senado.

 

PSDB

 

Ao escolher Curitiba, no Paraná, para passar o primeiro dia da campanha eleitoral, José Serra pretende pegar carona na popularidade do candidato tucano ao governo, o ex-prefeito Beto Richa, líder das pesquisas com cerca de 40% das intenções de voto. O Paraná tem 7,6 milhões de eleitores aptos a votar em outubro, sendo 1,3 milhão em Curitiba.

 

O ponto alto do dia será uma caminhada pelo centro da cidade, com largada no calçadão da Rua XV. Dentre os políticos que acompanharão Serra na caminhada, porém, será sentida a falta do senador Álvaro Dias. Indicado pelo PSDB para ser candidato a vice-presidente, Dias passou pelo constrangimento de ser vetado pelo DEM e substituído pelo pouco conhecido deputado Índio da Costa (DEM). O senador ficou sabendo que Serra começaria a campanha no seu Estado, o Paraná, pela imprensa.

 

A agenda de Serra em Curitiba também prevê uma visita de Serra a programas sociais e o recebimento de um documento com propostas de governo. Ao assinar o texto, deve firmar um compromisso com a continuidade de programas sociais do governo Lula. A estratégia é cortar rumores de que o candidato da oposição, se eleito, acabaria com o Bolsa Família.

 

PV

 

Marina Silva, candidata do PV, escolheu São Paulo como palco para marcar o início da campanha. Passam pela escolha o fato de a cidade ter o maior colégio eleitoral e também a questão de a sede da campanha estar centralizada lá. O Estado tem 30,3 milhões de eleitores – 8,4 milhões só na capital. O candidato do PV ao governo do Estado, Fábio Feldman, foi apontado por apenas 2% dos entrevistados na última pesquisa de intenção de voto do DataFolha.

 

Até o final da noite de ontem, o presidente do PV no Rio de Janeiro, Alfredo Sirkis, tentava levar a candidata do partido para dar a largada na capital fluminense. É no Rio que o PV tem, até aqui, o melhor desempenho eleitoral na disputa pelo governo do Estado com Fernando Gabeira, terceiro colocado nas pesquisas. "Incompatibilidade de agendas", porém, impediram a mudança de local, segundo Sirkis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.