Campanha de Wellington Dias tenta blindar senador petista

Motorista do candidato ao governo do Piauí foi parado na estrada com R$ 180 mil em notas de R$ 100 embaixo do banco

Ricardo Della Coletta, O Estado de S. Paulo

12 de setembro de 2014 | 23h25

A campanha do senador Wellington Dias (PT), candidato favorito ao governo do Piauí, desencadeou nesta sexta-feira uma operação para blindar o petista de danos causados pela apreensão, no dia anterior, de R$ 180 mil, em dinheiro, que estavam em posse do motorista de seu gabinete. A ordem é, por ora, preservar o candidato e poupar o funcionário de qualquer punição ou investigação interna.

Na quinta-feira, José Martinho Ferreira de Araújo prestou depoimento no município de Barreiras, na Bahia, após a Polícia Rodoviária Federal ter encontrado o montante, em notas de R$ 100, embaixo do banco traseiro do veículo em que o servidor estava.

Os policiais pararam o veículo em uma operação de rotina no quilômetro 805 da BR-242, pouco depois das 11 horas. Eles decidiram fazer uma busca no automóvel após o condutor, Paulo Fernando de Souza, ter apresentado uma carteira de habilitação falsa. 

Na ocasião, o funcionário teria alegado que o dinheiro serviria para a compra de uma propriedade rural e que estava a caminho de São Miguel do Fidalgo, no Piauí. Araújo foi liberado após prestar depoimento e o carro acabou apreendido.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Francisco de Sá, ao ser abordado, Araújo mostrou um crachá de identificação do Senado e se apresentou como motorista do senador. 

Depois do ocorrido ser noticiado pela imprensa, funcionários da campanha de Wellington Dias viajaram a Barreiras para obter mais informações sobre o caso. De acordo com a assessoria do senador, eles foram informados pelo delegado de que Araújo afirmou no depoimento que tem como comprovar a origem do dinheiro.

Com isso, o comitê do candidato espera abafar o caso e evitar prejuízos eleitorais ao petista, que lidera com folga a eleição no Estado. Por enquanto, a quantia apreendida deve ficar depositada em juízo. Segundo o portal de transparência do Senado, a remuneração de Araújo é de R$ 3,5 mil mensais.

Respostas. Na sexta-feira, Wellington Dias afirmou que o motorista de seu gabinete está de férias e realizava uma viagem de caráter particular. Em nova nota divulgada hoje, o petista disse que apoia todas as investigações que o caso possa requerer.

A assessoria do senador também argumentou que o carro não está no nome do petista e que Araújo fazia o trajeto para levar seu pai até a cidade São Miguel do Fidalgo.

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesSenadoPTWellington Dias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.