Hélvio Romero/AE
Hélvio Romero/AE

Campanha de Russomanno usa ‘laranja’ como coordenador de plano de governo

Apontado por integrantes do comitê do PRB como o responsável pelo programa, ‘Carlos Baltazar’ chama-se, na verdade, Carlos Alberto Joaquim; candidato diz ser apenas ‘nome de guerra’

Ricardo Chapola, Julia Duailibi e Fernando Gallo, de O Estado de S.Paulo

27 de setembro de 2012 | 05h00

Apontado por integrantes da campanha como o coordenador do plano de governo de Celso Russomanno (PRB), candidato que lidera todas as pesquisas de intenção de votos em São Paulo, “Carlos Baltazar” chama-se, na verdade, Carlos Alberto Joaquim. Funcionário concursado de baixo escalão da Prefeitura, ele realiza função secundária no comitê, como agrupar sugestões de propostas enviadas por colaboradores de Russomanno.

Russomanno apresentou nesta semana um programa de governo que virou alvo de críticas por reproduzir uma série de propostas genéricas apresentadas em julho à Justiça Eleitoral. Os adversários afirmam também que suas propostas, como o aumento do efetivo da guarda municipal de 6 mil para 20 mil homens, não têm lastro orçamentário. O plano de governo impresso por Russomanno é assinado apenas pelo candidato e por seu vice, Luiz Flávio D’Urso (PTB).

Os nomes dos “técnicos” que Russomanno diz terem ajudado a elaborar o programa de governo nunca foram divulgados oficialmente pela campanha do PRB, apenas o de “Carlos Baltazar”.

Joaquim (ou “Carlos Baltazar”), que se apresenta como fotógrafo nas redes sociais, é assistente de gestão de políticas públicas na Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho. Ele foi levado para a campanha por Luiz Augusto de Souza Ferreira, o Guto, que é o seu chefe no banco de microcrédito da Prefeitura e filiado ao PRB.

A equipe de Russomanno divulgou o nome falso alegando que Joaquim poderia ser perseguido, já que o prefeito Gilberto Kassab (PSD) apoia a candidatura de José Serra (PSDB). O “Baltazar” utilizado pelo servidor municipal seria um sobrenome de seus familiares que não consta de seus documentos oficiais.

Questionado pelo Estado, Russomanno afirmou que os colaboradores do seu programa usam “nome de guerra” para se protegerem de possível “perseguição”. O candidato negou que Joaquim seja coordenador “laranja”.

Desconhecido. O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho, Marcos Cintra (PSD), chefe de Joaquim, afirmou ontem desconhecer um funcionário com sobrenome de “Baltazar”. “Li uns dez dias atrás que apareceu essa coisa de Carlos Baltazar. Chamou a minha atenção, mandei ver se tinha esse nome. Não tinha. Depois é que se falou, parece que é esse nome Joaquim que estaria realmente envolvido nessa atividade (na campanha de Russomanno)”, disse Cintra. “Esse Joaquim tem. É funcionário da Prefeitura e está lá na secretaria, sim. Se não me engano, entrou na Prefeitura em 88, no começo da década de 90”, completou.

Cintra levou Ferreira, o chefe de Joaquim, para a secretaria municipal em 2010. Os dois se conheceram na época em que eram filiados ao PFL (atual DEM), antigo partido de Kassab. Já na presidência do banco de microcrédito, Ferreira conheceu Joaquim e o convidou para trabalhar como analista de projetos no órgão.

Foi Ferreira quem colocou Joaquim na campanha de Russomanno, que conhece desde 2004. Ferreira e Russomanno trabalharam juntos quando o candidato era deputado pelo PP.

Adversários. Fernando Haddad (PT) e José Serra (PSDB), que estão tecnicamente empatados no segundo lugar no Ibope, divulgaram os nomes de todos os colaboradores de seus programas. Na lista do petista, constam 51 pessoas. Na do tucano, há 42 colaboradores. O candidato do PSDB, no entanto, informou que pretende divulgar o seu programa de governo completo apenas se passar para o segundo turno. Na campanha de Serra, o coordenador do programa de governo é o presidente do Conselho Estadual de Educação, Hubert Alquéres foi secretário adjunto de Educação, professor da Escola Politécnica da USP e presidente da Imprensa Oficial do Estado.

O programa de Haddad foi coordenado pelo cientista político Aldo Fornazieri, diretor da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo e filiado ao partido há mais de dez anos. O trabalho de montagem e sistematização, disse a campanha, durou cinco meses e foi divulgado em agosto.

Tudo o que sabemos sobre:
Celso RussomannoPrefeituraSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.