Campanha de Marina vai ao TSE contra ataque a site

O coordenador-geral da campanha de Marina Silva (PSB), Walter Feldman, informou nesta terça-feira, 30, que a coligação entrará na noite de hoje com uma representação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), notificando um crime de ataque cibernético e pedindo apuração de provas que foram coletadas em uma investigação preliminar feita pela própria equipe de campanha.

ANA FERNANDES E ISADORA PERON, Estadão Conteúdo

30 de setembro de 2014 | 19h38

Segundo Feldman, o site oficial da campanha de Marina foi atacado na madrugada do dia 12 de setembro. A investigação preliminar mostrou, ainda de acordo com o coordenador, que 1.365 computadores fizeram 4 milhões de acessos em 16 minutos. A ação teria gerado uma instabilidade e deixado o site fora do ar por cinco horas. "Foi um ataque virulento, contundente e capaz de derrubar qualquer site", disse o coordenador.

Feldman comunicou ainda que essa investigação preliminar feita pela campanha, segundo ele de forma legal, apontou ao menos três instituições públicas de onde teriam partido os ataques: Petrobras, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e prefeitura de Ivoti (RS). Questionado se haveria desconfiança de os ataques poderiam ter partido de adversários políticos, com fins eleitorais de atingir a campanha de Marina, Feldman disse ser cedo para fazer uma afirmação como essa. "Não temos elementos para dizer isso. O nosso requerimento para o TSE é muito cuidadoso. Causa estranheza apenas porque teria acontecido de forma muito organizada e isso tem um custo."

Ainda de acordo com Feldman, a investigação não foi capaz de identificar se foi um computador de cada uma das três instituições identificadas ou "nós" que interligariam a mais máquinas. Mas reafirmou que essas três origens foram identificadas. Para ele, a mais surpreendente é a conexão identificada com a Petrobras, que teria revelado um ataque partindo de um IP (identificação do computador na rede) vindo de um prédio da estatal no Rio de Janeiro. "A investigação demonstra, no mínimo, a abertura da blindagem que os computadores da Petrobras teoricamente deviam ter", disse Feldman.

O coordenador disse que a prefeitura de Ivoti é comandada pelo PSDB, em resposta aos jornalistas, mas pontuou que isso não significa ainda responsabilidade de qualquer partido sobre a ação. Ele reafirmou que o pedido de investigação ao TSE é justamente para esclarecer o que ocorreu. Feldman explicou também que a campanha decidiu levar o caso ao TSE porque julgou ser o órgão mais adequado dado o teor da investigação e a proximidade das eleições. E justificou a atitude da campanha de conduzir uma investigação preliminar dizendo que seria "vago" apresentar uma reclamação de invasão do site.

Segundo turno

Feldman comentou brevemente o cenário eleitoral, com avanço da candidata petista Dilma Rousseff e recuo de Marina nas pesquisas. Ele disse não ter "nenhum receio" de Marina ficar fora do segundo turno, repetindo o discurso que havia sido colocado pela própria candidata momentos antes.

O coordenador da campanha de Marina também reclamou dos ataques dos adversários, dizendo que falta escrúpulo e ética à campanha dos concorrentes. Feldman acusou ainda de cinismo o presidente do PT, Rui Falcão. "Esses dias o presidente do PT se disse indignado com ataques feitos pela Marina. Só pode ser uma afirmação cínica, não dá pra acreditar que ele próprio acredite nisso."

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesMarinaWalter Feldman

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.