Campanha de igreja contra Luizianne em Fortaleza pára na PF

Convenção das Assembléias de Deus espalharam outdoors e outros materiais com ofensas contra prefeita do PT

REUTERS

21 de agosto de 2008 | 14h34

A Justiça Eleitoral no Ceará envia nesta quinta-feira ofício à Policia Federal para que assuma as investigações da propaganda promovida pela Convenção de Ministros das Assembléias de Deus Unidas do Ceará (Comaduec) contra a prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins (PT), candidata à reeleição. Para driblar determinação da Justiça que a proibiu de espalhar outdoors e outros materiais de propaganda contra a prefeita, a Comaduec lançou novos outdoors na cidade.  Veja Também: Veja a íntegra da última pesquisa  Multimídia: Perfil dos candidatos  Guia tira dúvidas do eleitor  Nos cartazes, o nome da prefeita é substituído pelo de "Jezabel", também conhecida por "Jezebel", tida no antigo testamento como a perseguidora de profetas. Assim, ao invés de "Luizianne é contra a Bíblia e o povo de Deus" os novos outdoors trazem o questionamento: "Sra. Jezabel -- Por que a Senhora é contra a Bíblia e o povo de Deus?". O bispo Shelley Macedo, líder das Assembléias de Deus do Ceará, disse que a troca do nome de Luizianne por "Jezabel" foi feita pelos "fiéis", que estariam revoltados com a decisão da Justiça. A decisão do juiz eleitoral Emanuel Leite Albuquerque de remeter o caso para a Policia Federal já havia sito tomada, mas somente nesta quinta-feira, conforme informação da coordenação de propaganda eleitoral, o ofício será encaminhado à polícia. Emanuel Leite Albuquerque já determinou também ao Banco Central o envio das informações relativas ao sigilo bancário da entidade para avaliar quem poderia estar alimentando financeiramente esta campanha. As informações, entretanto, ainda não foram liberadas pelo BC. A assessora jurídica da campanha de Luizianne, Isabel Mota, informou à Reuters que já apresentou requerimento ao juiz eleitoral denunciando a "atitude jocosa da nova peça" e pedindo sua retirada por descumprimento da lei eleitoral.

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICAELEICAOCE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.