Campanha de Haddad espera por Dilma e Lula em evento na sexta

Expectativa é de que a presidente participe de duas ações em São Paulo com o pré-candidato do PT a prefeito da capital

FERNANDO GALLO, O Estado de S.Paulo

16 Maio 2012 | 03h08

A presidente Dilma Rousseff deve entrar na sexta-feira na campanha do ex-ministro Fernando Haddad (PT) à prefeitura de São Paulo. O PT espera a presença da presidente em dois eventos, aos quais deverá comparecer também, além de Haddad, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Será a primeira agenda pública de Dilma com Haddad desde que ele iniciou sua pré-campanha e a primeira vez em que o trio aparecerá junto em prol do candidato petista em São Paulo.

O PT aguarda a participação de Dilma na inauguração de um prédio do campus da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) em Diadema, município do Grande ABC comandado pelo petista Mário Reali. Haddad, que chefiava a pasta da Educação no governo federal até janeiro, será convidado como ex-ministro.

Dilma, Haddad e Lula deverão visitar ainda a exposição Guerra e Paz, de Cândido Portinari, no Memorial da América Latina, em São Paulo. Inicialmente, apenas Lula e Haddad fariam esse tour, que estava marcado para ontem, mas foi cancelado tão logo surgiu a possibilidade da presença de Dilma.

O PT divulgou ontem, no fim da tarde, na internet, uma das gravações das inserções partidárias que deveriam ir ao ar na TV na noite de ontem.

No vídeo, Haddad e Lula fazem um jogral. O tema é a renovação. Lula trata o crescimento econômico e a distribuição de renda como "coisa nova", mesmo discurso de Haddad ao falar de Dilma e do corte nos juros.

Até o fechamento desta edição, a TV Globo havia decidido não transmitir a propaganda do PT, alegando que o partido não informou a grade das inserções com 15 dias de antecedência, como manda a lei eleitoral.

Três dirigentes petistas admitiram ao Estadão que a direção nacional do partido cometeu um erro ao deixar de avisar as emissoras. Por meio da assessoria, o PT nacional sustentou que não iria se manifestar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.