Campanha de Chinaglia para Câmara quer apoio de petistas

A campanha do líder do governo, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), à presidência da Câmara deverá custar R$ 200 mil. Esse é o valor estimado pelos coordenadores da candidatura que já começaram a arrecadar doações de R$ 2.000 de petistas e de deputados que apóiam Chinaglia. Até agora, segundo o deputado Odair Cunha (PT-MG), o saldo é de R$ 24 mil, mas o comando de campanha espera conseguir 100 doadores para atingir a meta. Os coordenadores de campanha recorrerão ao PT e a outros partidos da base, caso as doações dos deputados não atinjam a meta prevista.O dinheiro será para pagar os gastos com a contratação da agência de publicidade e marketing, confecção de material gráfico e transporte. De acordo com Cunha, nas viagens que Chinaglia pretende fazer aos Estados a partir da próxima semana, a preferência será pelo uso de aviões de carreira. No entanto, o dinheiro também será para alugar jatinhos onde não for possível um vôo normal.ConcorrênciaTambém na disputa para se reeleger ao cargo, o presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), afirmou que até agora não previu gastos para sua campanha. O segundo vice-presidente da Câmara, deputado Ciro Nogueira (PP-PI), um dos coordenadores da campanha de Rebelo, afirmou que não haverá viagens, que as despesas serão mínimas e que o próprio presidente poderá pagar. Nogueira afirmou que a única despesa prevista deverá ser com a impressão de uma carta aos deputados. "Não adianta uma superprodução", afirmou Nogueira. Ele disse que Rebelo deverá ficar em Brasília e fazer contato com os deputados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.