Caminhoneiros vão aderir à onda de protestos

Os caminhoneiros vão aderir à onda de protestos para pressionar o governo e o Congresso em busca de soluções para as questões que afetam a categoria. A convocação partiu do Movimento União Brasil Caminhoneiro, que disse contar com "concordância unânime" do setor (motoristas de caminhão, cooperativas, transportadoras e outras empresas de serviços) de apoio imediato às manifestações populares.

VENILSON FERREIRA, Agência Estado

27 Junho 2013 | 18h04

A paralisação começa às 6 horas de segunda-feira, 1, e termina às 6 horas do dia 4. O movimento recomenda a todos caminhoneiros que não programem viagens para o período de paralisação, a fim de reduzir o número de veículos de carga nas rodovias e eliminar qualquer possibilidade de transtornos aos demais usuários.

Entre as propostas do Movimento União Brasil Caminhoneiro, estão subsídio ao preço do óleo diesel e isenção do pagamento de pedágio pela categoria em todas rodovias do País, "para baratear preços dos alimentos e produtos". Eles pedem a criação de uma secretaria do transporte rodoviário de cargas, vinculada, diretamente, à Presidência da República, nos mesmos moldes das atuais Secretarias dos Trabalhadores e das Micro e Pequenas Empresas.

A categoria também pedirá nas ruas a votação e sanção imediata do projeto em tramitação no Congresso que aprimora a Lei do Motorista. O movimento também cobra soluções para questões como o cartão-frete, exigência do Código Identificador da Operação de Transporte (CIOT) e concorrência desleal exercida por transportadores ilegais.

Mais conteúdo sobre:
Protestos caminhoneiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.