Camargo Corrêa protesta contra falta de acesso a dados

A Construtora Camargo Corrêa reagiu ontem à ofensiva da Procuradoria da República alegando que não teve acesso, até agora, aos dados oficiais dessa etapa da Operação Castelo de Areia. Em nota oficial, a empreiteira destacou que "tomou conhecimento, por meio de comunicado divulgado no site do Ministério Público Federal (MPF), da existência de representações feitas por esse órgão solicitando a outras esferas da Justiça a abertura de investigações envolvendo a empresa".

AE, Agencia Estado

08 de dezembro de 2009 | 12h02

"Mais uma vez nos vemos alvo de acusações públicas sem que tenhamos tido acesso às informações que lhes deram origem e que são parte de processo judicial que corre em segredo de Justiça", protesta a Camargo Corrêa. O texto ressalta que nesse mesmo processo "houve denúncias divulgadas precipitadamente à imprensa que se mostraram infundadas".

"A Camargo Corrêa está convicta da licitude da sua conduta e espera ter acesso a essas informações para que possa fazer sua defesa, direito que constitui base fundamental de um Estado democrático", diz a nota. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
Castelo de AreiaPFCamargo Corrêa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.