Dida Sampaio/AE
Dida Sampaio/AE

Câmara votará nesta terça proposta que acaba com voto secreto, diz Alves

Presidente da Câmara afirma que será votada a PEC 349, de 2001, aprovada em 1º turno há sete anos, que acaba com voto secreto em todas as situações no Legislativo

Daiene Cardoso, O Estado de S. Paulo - atualizado às 14h48

03 de setembro de 2013 | 13h52

Após reunião entre líderes dos partidos na Câmara dos Deputados, ficou acordado que será votada ainda nesta terça-feira, 3, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 349, de 2001, que acaba com o voto secreto para todas as situações no Legislativo. Apesar de haver outra PEC, a 196, em tramitação, só a 349 está apta a ir ao plenário.

"O pensamento de que talvez não fosse o ideal (a PEC 349) foi colocado por alguns, mas todos se conscientizaram de que a hora de votar é hoje mesmo e vamos votar e aprovar", disse o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN).

A PEC 349 está há sete anos aguardando votação em segundo turno, após ter sido aprovada em primeiro turno em 5 de setembro de 2006. A proposta foi apresentada em 2001 pelo então deputado Luiz Antônio Fleury Filho, na época do PTB-SP.

Existe uma outra Proposta de Emenda à Constituição tramitando na Câmara que é a PEC 196, do senador Álvaro Dias (PSDB-PR), aprovada pelo Senado em 2012. Mas a proposta, aprovada na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, ainda está em uma comissão especial e levaria algumas semanas para estar apta à votação em plenário. No entanto, ela é mais restrita e só abriria o voto em sessões sobre cassação de mandatos de parlamentares.

Segundo o líder do DEM na Câmara, Ronaldo Caiado (GO), apenas o PTB se posicionou contra a PEC 349. Caiado revelou que, na reunião com o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), foi dito que a PEC era uma contingência em virtude do "desastre" provocado pela manutenção do mandato do deputado Natan Donadon (sem partido-RO).

Além da votação em segundo turno da PEC, a Câmara deve submeter ao plenário nesta terça uma moção de repúdio à espionagem eletrônica do governo norte-americano. O DEM também deve propor uma moção de apoio ao diplomata Eduardo Saboia, envolvido na fuga do senador boliviano Roger Pinto Molina da embaixada brasileira em La Paz para o Brasil.

Mais conteúdo sobre:
Câmaravoto secreto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.