Gustavo Lima/ Ag. Câmara
Gustavo Lima/ Ag. Câmara

Câmara vota nesta segunda criação de Comissão Especial do impeachment

Indicações vão até as 18h; instalação do colegiado será na terça, com a eleição do relator e do presidente da Comissão

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

07 de dezembro de 2015 | 04h00

 BRASÍLIA - Em meio a uma disputa acirrada entre os deputados pela indicação de seus líderes, a Câmara dos Deputados votará nesta segunda-feira, 7, a criação da Comissão Especial que vai analisar o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Devido à grande demanda de parlamentares e aos cálculos que as bancadas ainda fazem para compor os 65 titulares da comissão, o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), decidiu prorrogar o prazo final para a apresentação dos nomes de 14h para até as 18h.

Pelo critério da proporcionalidade, PT e PMDB terão o maior número de representantes: oito cada. Aliado do Palácio do Planalto, o líder do PMDB Leonardo Picciani (RJ) deve indicar deputados com perfis "moderados" e contra o afastamento da presidente. Parlamentares próximos de Cunha não devem ter espaço na lista de indicados de Picciani, que deve ser um dos oito membros da Comissão.

"A chave de toda a coisa é o PMDB. É o PMDB que terá peso na evolução do processo do impeachment", comentou o líder do DEM, Mendonça Filho (PE). A sigla, que tem duas vagas (mais duas suplências), deve indicar o deputado Rodrigo Maia (RJ) e ainda discute o segundo nome. Mendonça disse que não vai se auto indicar. "É muita demanda. No meio de uma disputa dessa, líder tem de ser generoso", alegou.

Líder do PSD e com quatro vagas titulares a serem preenchidas, Rogério Rosso (DF) deve seguir a tendência dos partidos e também integrar a Comissão. Rosso disse que vai escolher nomes "independentes", "técnicos" e com experiência de Congresso. Ele deve indicar os deputados Paulo Magalhães (BA) - homem próximo do governador baiano Rui Costa (PT) - e Júlio Cesar (PI), mas deixará para decidir sobre a última vaga nesta segunda-feira.

Após a indicação de todos os titulares e suplentes, Cunha abrirá sessão plenária amanhã para votar a criação da Comissão. A sessão de instalação do colegiado será no dia seguinte, com a eleição do relator e do presidente da Comissão. Qualquer titular da Comissão poderá se candidatar para os cargos em disputa.

O líder do governo, José Guimarães (CE), disse que só após as indicações vão discutir os nomes que disputarão a presidência e a relatoria da Comissão. Guimarães contou que vem mantendo conversas com Picciani desde a última quinta-feira e se mostrou confiante. "As coisas estão indo bem", resumiu. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.