André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Câmara vai oferecer apoio a deputados ameaçados, diz Maia

Presidente da Casa afirma que é preciso pedir estrutura da Polícia Federal para proteger parlamentares

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

28 Março 2018 | 21h38

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quarta-feira, 28, que a Casa vai reforçar a segurança de deputados que estão sofrendo ameaças nos Estados. Ele disse, porém, que, diante do crescimento das ameaças, a Câmara precisará organizar o esquema de segurança em parceria com o Ministério da Segurança Pública, para poder usar a estrutura da Polícia Federal. 

"A Câmara vai dar o apoio, como vem dando, mas precisamos organizar junto com o Ministério da Segurança Pública. Apoiar um ou outro dá, mas, do jeito que as coisas vão indo, precisa ver com o Executivo para usar a estrutura mais adequada, que é a da Polícia Federal", declarou o parlamentar fluminense, em entrevista por telefone ao Estadão/Broadcast.

+ Para Maia, ataque à caravana de Lula é fruto da 'radicalização na política'

+ Rodrigo Maia classifica como grave relato de ameaça a Fachin

Na sessão plenária dessa terça-feira, 27, o deputado Vitor Valim (MDB-CE) relatou que vem sofrendo ameaças por parte de integrantes da facção Primeiro Comando da Capital (PCC). O emedebista, que é apresentador de programa policial, disse ao Estadão/Broadcast que já encaminhou ofício a Maia, ao governo do Ceará e ao ministro da Segurança, Raul Jungmann, relatando as ameaças e pedindo ajuda.

"Vamos cuidar dos outros casos, como já temos cuidando do deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ)", afirmou o presidente da Câmara. Wyllys, que já relatou sofrer ameaças, anda escoltado em Brasília por policiais legislativos. A ideia é que os demais parlamentares que relatarem ameaças também tenham à disposição seguranças da Casa na capital federal.

Lula

Maia também lamentou mais uma vez os tiros disparados nessa terça-feira contra dois ônibus da carvanava do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante passagem pelo Paraná. "É muito grave quando uma manifestação política fica impedida de exercer seu direito democrático de dialogar com a sociedade. Isso é muito grave, pois fere a democracia", declarou.

+ Presidenciáveis condenam ataques à caravana de Lula

+ Após tiros em ônibus de Lula, deputados do PT cobram Jungmann

O presidente da Câmara disse que opositores ao ex-presidente no campo político precisam entender que oposição deve ser feita no campo das ideias. "Não na inviabilização da movimentação de seu adversário, muito menos com ameaça à vida das pessoas", disse. "Espero que não se repitam e que todos possam ter o direito de construir seus projetos e dialogar com a sociedade".

Maia afirmou ainda que o radicalismo precisa chegar ao fim e que é "importante que cada uma das partes compreenda isso". "Espero que o ex-presidente Lula possa continuar sua caminhada, seu direito legítimo de falar com a sociedade. Que seus adversários tenham seus espaços, mas, de forma alguma, bloqueiem eventos do ex-presidente Lula, muito menos atitrar no ônibus para gerar recuo na caravana dele".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.