Câmara tem outra semana de baixa produtividade

A Câmara repetiu, pela segunda semana consecutiva, a baixíssima produtividade da semana passada, com apenas uma MP aprovada - e nada mais. A lentidão na apreciação de matérias legislativas vem desde que a Casa aprovou a prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), no dia 27 de outubro. De lá para cá, com 17 dias úteis, foram aprovadas apenas seis MPs (sendo que três delas somente revogavam medidas provisórias anteriores), uma emenda constitucional e um projeto de decreto legislativo. Quinta-feira passada, quando os deputados aprovaram a retirada de pauta da MP que prorroga o prazo de recadastramento de armas de fogo, para corrigir erros técnicos do relatório, o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), perdeu a paciência. ?Não se justifica tanto tempo sem votar. Essa história de refazer relatório não me convence. Se o relatório é ruim, rejeita-se o relatório. Pede-se preferência para a MP original e vota-se. Ou aprova-se ou rejeita-se a MP. O que não pode é não deliberar?, reclamou. ?Existem matérias infinitamente mais importantes para votar?, disse o presidente sobre a MP das Armas. O deputado paulista Wanderlei Macris, do PSDB, partido que pediu a retirada da MP das Armas de pauta, reconheceu a lentidão para aprovação de matérias em plenário, mas disse que a culpa não é da oposição. ?Estamos prontos para votar, desde que seja um relatório decente. E não estou nem falando do mérito, porque temos sérias divergências com o parecer do relator?, afirmou Macris. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.