Câmara só votará MPs após CPMF, diz Chinaglia

O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), confirmou hoje que, por causa da decisão dos aliados do governo, o plenário da Câmara ficará sem votar medidas provisórias (MPs) até que o Senado vote a proposta que prorroga a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). "Nesta relação, fica na dependência, por enquanto, da votação no Senado", afirmou Chinaglia, em entrevista depois que deixou a sessão de hoje na qual não foi votada nenhuma MP.O governo está obstruindo as votações para evitar que as MPs sigam ao plenário do Senado e tranquem a pauta, adiando, com isso, a votação da CPMF. Chinaglia afirmou que a decisão, que resulta na paralisação da Câmara, não foi tomada pela Casa, mas é uma opção política por parte de deputados. "A Câmara acaba tendo de responder pelo fato de não votar matérias importantes. É ruim, naturalmente", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.