Câmara rejeita contratação temporária de servidor

O plenário da Câmara rejeitou na noite desta quarta-feira a medida provisória que permitia a contratação temporária para substituição de servidores públicas em greve. A votação foi simbólica, com os deputados não admitindo a urgência e a relevância da MP. Os líderes partidários consideraram um momento histórico, pois esta é a primeira vez no governo Fernando Henrique Cardoso que o Congresso não aceita a admissibilidade constitucional de uma medida provisória.O plenário da Câmara está apreciando neste momento o projeto de decreto legislativo que institui a comissão permanente de segurança pública na Casa. A rejeição da MP fez parte de um acordo entre líderes partidários para desobstruir a pauta e permitir a votação da proposta de emenda constitucional da prorrogação da CPMF até dezembro de 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.