Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Câmara processa Cid Gomes

Procuradoria da Casa acionou a procuradoria-geral da República contra o ex-ministro por ter chamado os deputados de 'achacadores' e ter deixado o plenário antes do fim da sessão, na quarta 

Daniel Carvalho, O Estado de S. Paulo

19 de março de 2015 | 21h21

Brasília - A Procuradoria da Câmara dos Deputados processou nesta quinta-feira, 19, o ex-ministro da Educação Cid Gomes por danos morais e entrou com representação contra ele na Procuradoria Geral da República.

Cid Gomes foi demitido pela presidente Dilma Rousseff na tarde de quarta-feira, 18, após fazer novas acusações em sessão da Câmara a que compareceu para explicar declaração de que haveria na Casa "de 300 a 400 achacadores" que se aproveitam da fragilidade do governo. Cid chamou o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de achacador e partidos aliados de "oportunistas".

Na ação, o procurador da Câmara, deputado Cláudio Cajado (DEM-BA), não estabelece valores, mas solicita que a indenização seja revertida para o FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação).

Já na representação à PGR, Cajado indica que Cid cometeu três infrações: crime de responsabilidade, por ter deixado a sessão antes do término, condescendência criminosa, por não apontar quem são os achacadores, e improbidade, por não cumprir os princípios de lealdade e honestidade.

Tudo o que sabemos sobre:
Cid GomesCâmara dos Deputados

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.