Câmara pretende punir deputados que faltaram a sessões

Os deputados que faltaram às sessões da Câmara de segunda-feira e de ontem sofrerão desconto de R$ 1.338,25 em seus salários pelos dois dias de falta ao trabalho. O corte salarial foi anunciando pelo presidente da Câmara, deputado João Paulo Cunha (PT-SP), que decidiu punir os deputados gazeteiros. A falta de quórum esta semana na Câmara impediu a votação de sete medidas provisórias, que estão trancando a pauta da Casa.Na segunda-feira, apenas 256 do total de 513 deputados marcaram presença no painel eletrônico do plenário da Câmara. Ontem, às 13h49, quando foi encerrada a votação, somente 249 deputados haviam registrado presença. Para ter votação no plenário da Câmara, são necessários no mínimo 257 deputados.Os deputados faltosos podem, no entanto, justificar sua ausência e dessa forma ficarem livres do desconto de R$ 669,12 por dia de falta ao trabalho. ?A justificativa só deveria valer para quem apresentou antes da falta e não depois?, disse o deputado Walter Pinheiro (PT-BA). ?Na maioria das vezes os deputados apresentam um justificativa, um atestado médico, e não tem corte nenhum. Isso acaba desgastando a imagem da Câmara?, argumentou o petista.Cada um dos 513 deputados ganha R$ 12.847,20 mensais. Desse total, R$ 4.817,70 referem-se à parcela fixa do salário. Os R$ 8.029,50 restantes são variáveis e pagos conforme o número de sessões com votação no plenário da Câmara em que o deputado esteve presente. Este mês já ocorrem nove sessões deliberativas. A previsão é que até o fim do mês aconteçam mais três, totalizando 12 sessões em abril. Ou seja, cada sessão está valendo R$ 669,12.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.