Câmara prega 'desarmamento dos espíritos' em PE

Governador de Pernambuco e herdeiro político de Eduardo Campos (1965-2014) faz discurso conciliador na abertura dos trabalhos da Assembleia estadual

ANGELA LACERDA, Estadão Conteúdo

02 Fevereiro 2015 | 20h25

Recife - Sem integrar a base do governo federal e em meio a uma crise na área da segurança pública do Estado, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), afilhado político do ex-governador e ex-presidenciável Eduardo Campos (1965-2014), fez discurso conciliador ao abrir os trabalhos da Assembleia Legislativa nesta segunda-feira, 2, no Recife. Ele pregou "o desarmamento dos espíritos" e destacou a urgência "na busca de convergências que indiquem as portas de saída, por mais estreitas que elas sejam".

"Iniciamos agora uma nova etapa na história do Estado e do País, em meio a um contexto desafiador, pressionado pelas tensões e incertezas das relações internacionais", disse ele. "Nunca, em tempos recentes, foi tão urgente o desarmamento dos espíritos e a busca de convergências que indiquem as portas da saída - por mais estreitas que elas sejam".

"Um Governador não governa sozinho, um Poder não é exercido de forma isolada", destacou Câmara, de perfil técnico e estreante na política. "Em situações de crise, como a que o Brasil atravessa, nenhum líder, em nenhum patamar de liderança, pode se dar à ilusão de que as soluções virão à revelia das reivindicações da população e da colaboração entre as instâncias institucionais".

Ele reiterou a defesa de um novo pacto político, econômico e social "que crie as condições para o Brasil voltar a crescer e, a Pernambuco, a crescer a índices ainda maiores". Com maioria na Assembleia, o governador prometeu aprofundar o diálogo com o Poder Legislativo.

Mais conteúdo sobre:
Paulo Câmara PSB Pernambuco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.