Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Câmara precisa encerrar nesta quarta esse assunto, afirma Maia sobre denúncia

Para presidente da Câmara, ‘qualquer que seja o resultado’, é preciso votar as acusações da PGR a Michel Temer e ministros

Rafael Moraes e Moura Breno Pires, O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2017 | 21h46

BRASÍLIA – O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta terça-feira, 24, que a Casa precisa encerrar na noite desta quarta-feira, 25, a votação da denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência).

+++ Com base de apoio menor, Temer libera R$ 829 mi

“A denúncia é uma prioridade do Brasil, a Câmara precisa encerrar amanhã (quarta) esse assunto, qualquer resultado que seja. Estou muito focado na condução da votação, porque a gente sabe que a oposição vai trabalhar para tirar quórum. Para o Brasil, o melhor caminho é que a gente possa encerrar votação na noite de amanhã”, disse Maia a jornalistas, ao participar da solenidade de posse dos novos ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

+++ Deputado da oposição defende fatiamento de denúncia

+++ Aliados dizem que quem votar contra Temer amanhã será tratado como oposição

Indagado se a apresentação da segunda denúncia contra Temer paralisou as atividades na Câmara, Maia respondeu: “A gente votou algumas coisas, mas, sem dúvida, quando a Procuradoria apresenta uma denúncia contra o presidente, é claro que os olhares de todos ficam focados nesse assunto.”

Estratégia. Nesta terça-feira, líderes da oposição na Câmara anunciaram que não vão registrar presença na sessão plenária desta quarta-feira, com o objetivo de tentar impedir que a votação ocorra, deixando Temer "sangrando" por mais tempo.

+++ Câmara vai repetir rito da votação sobre primeira acusação

“A oposição está cumprindo o papel dela, e é legítimo também. Esse é um tema que, dentro dos prazos legais e regimentais, precisa acabar o mais rápido possível. Respeito a estratégia da oposição”, comentou Maia.

Evento. A solenidade desta terça-feira no TSE marcou a posse do ministro Jorge Mussi como titular da Corte Eleitoral. Mussi substituirá o ministro Herman Benjamin, relator da ação que apurou irregularidades na chapa de Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (PMDB) nas eleições de 2014. 

Com a saída de Herman do TSE, o ministro Napoleão Nunes Maia Filho será o novo corregedor-geral eleitoral. O ministro Luís Felipe Salomão, por sua vez, assumiu uma das vagas de ministros substitutos da Corte Eleitoral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.