Câmara notifica deputados acusados em esquema de mensalão

Segundo o corregedor do DF, a partir da notificação, cada parlamentar terá dez dias para apresentar defesa

estadao.com.br,

15 de dezembro de 2009 | 11h01

Responsável por analisar as representações feitas contra nove deputados distritais acusados pela Operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal, de envolvimento em um esquema de propina, o corregedor da Câmara Legislativa do Distrito Federal, o deputado distrital Raimundo Ribeiro (PSDB), informou que apenas o deputado Júnior Brunelli (PSC) ainda não foi oficialmente notificado sobre a apuração.

 

Veja Também

linkOposição diz ter apoio para suspender recesso na Câmara do DF

linkPF adia entrega de relatório da Caixa de Pandora ao STJ

linkArruda decide antecipar pagamentos no Distrito Federal

linkOAB protocola pedido de cassação contra três deputados no DF

linkDeputada suspeita desconversa sobre cassação

lista Veja tudo o que foi publicado sobre o mensalão do DEM

 

Ribeiro disse ter sido informado pela assessoria de Brunelli que ele está viajando e só deve retornar ao Distrito Federal nesta quarta-feira (16). Ainda de acordo com o corregedor, os deputados Leonardo Prudente (DEM) e Benício Tavares (PMDB) foram notificados na última segunda-feira, 14.

 

Além dos oito deputados distritais (Júnior Brunelli, Leonardo Prudente, Benício Tavares, Eurides Brito (PMDB), Benedito Domingos (PP), Rogério Ulysses (PSB), Rôney Nemer e Aylton Gomes (PMN)), a Câmara também vai apurar a denúncia protocolada por um advogado contra o atual presidente da Casa, o deputado Cabo Patrício (PT).

 

Segundo o corregedor, a partir da notificação, cada parlamentar terá dez dias para apresentar sua defesa. Concluído esse prazo, Ribeiro terá 15 dias para estudar as denúncias e as justificativas de cada um antes de emitir seus relatórios. No entanto, caso o plenário não aprove a convocação extraordinária, o recesso parlamentar poderá acabar dilatando esse limite de tempo.

 

"Assim que receber as defesas (dos acusados) eu vou procurar nem utilizar o prazo regimental máximo que eu teria", afirmou o deputado. "Acho que esta Casa está buscando usar os instrumentos administrativos e regimentais de que dispõe para poder levantar as situações e verificar a culpabilidade. Ao que me parece, (a Câmara) está fazendo aquilo que tem que fazer", afirmou.

 

Com informações da Agência Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.