Câmara leva adiante impeachment de prefeito

Legislativo de Campinas convoca Dr. Hélio e testemunhas de defesa e de acusação para apurar denúncias de irregularidades na administração

Tatiana Fávaro, de O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2011 | 23h00

CAMPINAS - A Comissão Processante instalada na Câmara de Campinas (SP) para apurar supostas irregularidades na administração de Hélio de Oliveira Santos (PDT), o Dr. Hélio, decidiu nesta segunda-feira, 13, dar continuidade ao processo que pode levar ao impeachment do prefeito.

 

Os vereadores marcaram para dia 29 o depoimento do prefeito, das 20 testemunhas de defesa arroladas na documentação pela defesa de Dr. Hélio e de testemunhas de acusação que serão definidas pelo autor do pedido de cassação, vereador Artur Orsi (PSDB). "Vamos ficar até ouvir a última testemunha", afirmou o presidente da comissão, vereador Rafa Zimbaldi (PP). "Decidimos pela continuidade porque a defesa apresentada pelo prefeito não foi suficiente para derrubar os fatos na denúncia apresentada."

 

O advogado do prefeito, Alberto Luis Mendonça Rollo, defendeu a tese de que a denúncia feita pelo Legislativo é inepta por falta de provas e se apoiou em documento da Procuradoria-Geral do Estado de São Paulo que diz não haver indícios de envolvimento do prefeito na organização criminosa investigada pelo Ministério Público e acusada formalmente, na semana passada, dos supostos crimes de formação de quadrilha, fraudes em licitações e corrupção.

 

Dos sete suspeitos apontados na denúncia oferecida à 3.ª Vara Criminal de Campinas, cinco ainda estão foragidos, entre eles a primeira-dama de Campinas, Rosely Nassim dos Santos, e o vice-prefeito, Demétrio Vilagra.

 

Entre as testemunhas de defesa estão os ministros Carlos Lupi (Trabalho) e Orlando Silva (Esportes). "Os ministros sabem das gestões do prefeito e são pessoas que acompanharam fatos importantes", afirmou o advogado.

 

Defesa. Na segunda-feira, o prefeito disse, por meio de uma carta, que em nenhum momento teve conhecimento ou participação em qualquer esquema ilícito.

 

"Não há evidência mais incontestável dessa verdade do que a total ausência de menção a meu nome seja por meio do delator (Luiz Aquino, ex-presidente da Sanasa), do procurador, do juiz ou das instituições Gaeco e Ministério Público." Disse ainda que está tranquilo e reiterou ter aceitado o pedido de afastamento de Aquino. Para ele, está constatado que a "relação escusa" está instalada além do âmbito da administração pública. "Estes termos são aqueles que trazem à tona o caráter político e vil destas acusações que pesam contra mim, que visam a tão somente fomentar a instabilidade e macular, junto à opinião pública, uma administração longeva."

 

‘Resta o amor’. Contra a espada da Justiça, que mandou prender sua mulher, Dr. Hélio disparou domingo, 12, pelo Twitter a flecha do Cupido - cândida mensagem de amor endereçada a Rosely Nassim Jorge Santos, em fuga desde sexta-feira, 10, sob acusação de ser chefe de quadrilha para fraudes em licitações, corrupção e desvio de recursos públicos. O prefeito de Campinas se disse solitário em pleno Dia dos Namorados. Sem saber o paradeiro da mulher, segundo afirmou à polícia, ele recorreu à rede social para declarar que "resta o amor". Dr. Hélio renovou "absoluta confiança na sua (de Rosely) inocência, na verdade e na Justiça". E despediu-se com um singelo e carinhoso "Rô, um beijo". / Colaborou Fausto Macedo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.