Câmara investiga deputado acusado de fraudar fita sobre Jader

O corregedor-geral da Câmara, deputado Barbosa Neto (PMDB-GO), determinou hoje a requisição ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado de toda a documentação sobre a eventual participação do deputado Pauderney Avelino (PFL-AM) na montagem de fitas fraudadas, envolvendo o senador Jader Barbalho (PMDB-PA) em um esquema de propina na Sudam.A solicitação de Barbosa Neto foi feita com base na representação da deputada Vanessa Grazziotin (PC do B-AM), que pede investigações sobre o deputado Pauderney Avelino e abertura de processo por quebra de decoro parlamentar.O foneticista Ricardo Molina concluiu que a fita contendo uma suposta conversa telefônica entre o deputado estadual Mário Frota (PDT-AM) e o empresário David Benayon, envolvendo Jader Barbalho em um esquema de propinas na Sudam, foi montada. A voz gravada não é a de Frota, mas sim a de seu assessor Nivaldo Marinho. Em depoimento à Polícia Federal, Marinho teria apontado o deputado Pauderney como um dos responsáveis pela montagem da fraude.?Não montei fita alguma; não participei de nenhuma farsa?, garantiu hoje Pauderney Avelino. Ele contou que, no início deste ano, Nivaldo Marinho o abordou quando fazia cooper em Manaus. ?Ele (Marinho) disse que tinha uma denúncia grave que envolvia o Mário Frota no escândalo da Sudam, mas não levei o que ele disse em consideração?, afirmou o deputado pefelista. ?Não vi sequer a fita; não dei a menor trela para o que ele (Marinho) disse?.Pauderney Avelino disse que pretende esperar o fim do inquérito da Polícia Federal e do inquérito na Polícia Civil, aberto por determinação do governador do Amazonas, Amazonino Mendes (PFL), para tomar uma decisão. ?Vou aguardar esses dois inquéritos, mas não excluo a possibilidade de vir a processar o Marinho e companhia e até o senador Jader Barbalho?, afirmou o deputado.Assim que soube da montagem da fita, que supostamente o envolvia na cobrança de propina para liberar recursos da Sudam, o senador Jader defendeu a cassação do deputado Pauderney Avelino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.