Câmara instala 20 comissões permanentes nesta quarta

A Câmara instala nesta quarta-feira, 14, suas 20 comissões permanentes com a eleição de seus respectivos presidentes, que comandarão os trabalhos pelo período de um ano. As presidências são distribuídas de acordo com o tamanho das bancadas partidárias.Na noite de terça-feira, 13, um acordo entre partidos definiu praticamente os 20 cargos. Os presidentes precisam ser eleitos pelos integrantes das comissões, que seguem, no entanto, os acordos partidários e aprovam os indicados pelas bancadas.O PMDB, que elegeu o maior número de deputados (89), indicou Leonardo Picciani (PMDB-RJ) para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). É a mais importante da Casa, porque analisa todos os projetos antes da tramitação, para averiguar se são inconstitucionais.O PMDB também ficou com a Comissão de Viação e Transportes, que será presidida pelo ex-ministro dos Transportes de FHC, Eliseu Padilha (RS), e a de Educação e Cultura, que Gastão Vieira (MA) vai comandar.Depois do acordo, só o PT, a segunda maior bancada, ainda iria confirmar os nomes. Em princípio, Virgílio Guimarães (MG) assumiria a Comissão de Finanças e Tributação, Zezéu Ribeiro (BA) a de Desenvolvimento Urbano e Luiz Couto (PB) a de Direitos Humanos. Lídice da Mata, do PSB baiano, presidirá a Comissão de Turismo. Mas a da Amazônia está em disputa entre Marcelo Serafim (AM) e Vanessa Graziotin (PC do B-AM), integrante do bloco entre PSB, PC do B e PDT.O PSDB ficou com as Comissões de Ciência e Tecnologia, a cargo de Júlio Semeghini (SP), Meio Ambiente, presidida por Nilson Pinto (PA), e Segurança Pública, que João Campos (GO) vai comandar. O PP terá duas comissões. José Otávio Germano (RS) chefiará a de Minas e Energia e Celso Russomanno (SP) a de Fiscalização Financeira e Controle.O PFL também terá duas, a de Agricultura, presidida por Marcos Montes (MG), e de Seguridade Social, por Jorge Tadeu Mudalen (SP). O PTB, com Nelson Marquezelli (SP), chefiará a Comissão do Trabalho. O PDT entregará o comando da Comissão de Relações Exteriores a Vieira da Cunha (RS). O PPS ficou com a do Consumidor, que o paranaense Cezar Silvestri vai presidir. O PR com a de Desenvolvimento Econômico, com Wellington Fagundes (MT), e o PSC com a de Legislação Participativa, com Eduardo Amorim (SE).EscândalosDois deputados que já foram investigados por suposto envolvimento em esquemas de corrupção vão presidir comissões. Fagundes foi acusado pela CPI dos Sanguessugas de ligação com o esquema de venda superfaturada de ambulâncias a prefeituras com dinheiro do Orçamento da União. Ele sempre negou a acusação. No último dia dos trabalhos no ano passado, o Conselho de Ética da Câmara aprovou relatório que propunha o arquivamento do processo de cassação.Mudalen foi investigado pela CPI dos Anões do Orçamento, que concluiu os trabalhos em janeiro de 1994. Ele foi citado na lista de José Carlos Alves dos Santos, que denunciou o esquema de desvio de dinheiro do Orçamento.O relatório da CPI enviou seu nome para avaliação da Mesa da Câmara, que arquivou o caso. O deputado negou envolvimento no desvio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.