Câmara dos Deputados da Itália congela acordo militar com Brasil em realiação a Caso Battisti

Acordo prevê desenvolvimento bilateral de projetos para construção de navios e fragatas, além da realização de patrulhas

Estadão.com.br,

11 de janeiro de 2011 | 12h56

A Câmara dos Deputados da Itália decidiu congelar o acordo militar entre Brasil e Itália em retaliação à decisão do Brasil de manter o italano Cesare Battisti no Brasil. De acordo com a Agência Ansa, a Câmara dos Deputados da Itália resolveu reenviar nesta terça-feira, 11, para comissão o texto de tratado, negociado em junho, de cooperação militar que o país pretende selar com o Brasil. Os parlamentaresdecidiriam pelo "congelamento", proposta apresentada na segunda-feira pela deputada Fiamma Nirenstein, do partido governista Povo da Liberdade (PDL) e vice-presidente da Comissão de Relações Exteriores.

 

Battisti foi condenado à prisão perpétua na Itália por ter assassinado 4 pessoas na década de 1970, quando integrou o grupo Proletários Armados pelo Comunismo (PAC). A decisão de manter Battisti no Brasil foi tomada durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 31 de dezembro. O acordo entre os países prevê o desenvolvimento bilateral de projetos para construção de navios e fragatas, além da realização de patrulhas.

 

A aprovação do tratado pelo parlamento é o que resta para que ele entre em vigor. No dia 18 de janeiro, a Câmara italiana votará uma moção apresentada pela União Democrática de Centro (UDC) pela extradição de Battisti.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.